Contenido principal del artículo

Adecir Pozzer
Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina (sed/sc/Brasil)
Brasil
Biografía
Elcio Cecchetti
Universidade Comunitária da Região de Chapecó (unochapecó/Brasil)
Brasil
Biografía
Vol. 26 (2020): Escuelas diferentes, Artículos, Páginas 53-71
DOI: https://doi.org/10.14201/aula2020265371

Resumen

O artigo trata da escola indígena no Brasil, seus princípios, objetivos, organização e desafios contemporâneos. Reflete criticamente os aspectos relativos as condições e possibilidades da formação cultural e técnico-profissional dos alunos indígenas, bem como a dimensão epistêmico-metodológica que fundamenta a educação escolar indígena intercultural. Trata-se de uma abordagem qualitativa, cuja metodologia adotada é bibliográfica e documental. Ao analisar os parcos avanços ocorridos nas últimas décadas e os inúmeros desafios ainda existentes, conclui-se que a educação escolar indígena carece de maior autonomia e investimento estatal, de modo que, gradativamente, as próprias comunidades indígenas possam fazer a gestão de suas unidades escolares. Mesmo diante de inúmeras dificuldades, as experiências de educação escolar indígena intercultural tem proporcionado maior reconhecimento, valorização e respeito ao pensamento, formas de vida e ciências produzidas no interior das comunidades indígenas, mesmo elas estando às margens dos sistemas culturais, econômicos e políticos hegemônicos.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Citas

Adorno, T. W. (2011). Educação e Emancipação. Trad. Wolfgang Leo Maar. São Paulo: Paz e Terra.

Amazonas. Secretaria de Estado da Educação. (2019a). Educação escolar indígena. Recuperado em 10 de setembro de 2019, de http://www.educacao.am.gov.br/educacao-escolar-indigena/.

Amazonas. (2019b). Governo do Amazonas faz aquisição de alimentos da agricultura familiar indígena para compor merenda escolar. Recuperado em 12 de setembro de 2019, de http://www.educacao.am.gov.br/2019/02/governo-do-amazonas-faz-aquisicao-de-alimentos-da-agricultura-familiar-indigena-para-compor-merenda-escolar/.

Apinajé, J. K. R. (2017). Processo de Educação Intercultural: possíveis reflexões. In M. B. Landa & A. F. Herbetta (coords.) Educação indígena e interculturalidade: um debate epistemológico e político (pp. 74-81). Goiânia: Editora da Imprensa Universitária.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília/df. Recuperado em 2 de outubro de 2019, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Brasil. (1998). O Governo Brasileiro e a Educação Escolar Indígena. Ministério da Educação/Secretaria de Educação Fundamental, Departamento de Política da Educação Fundamental, Coordenação Geral de Apoio às Escolas Indígenas. Brasília: mec/sef/dpef/cgaei.

Brasil. (2003). Lei n.º 10.709, de 31.7.2003, que trata da responsabilidade dos estados e municípios para com o transporte escolar. Recuperado em 4 de outubro de 2019, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.709.htm.

Brasil. (2009). Lei n.º 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica. Brasília/DF. Recuperado em 22 de setembro de 2019, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11947.htm.

Brasil. (2010). Censo Demográfico - Fundação Nacional do Índio. Recuperado em 13 de agosto de 2019, de http://www.funai.gov.br/arquivos/conteudo/ascom/2013/img/12-Dez/pdf-brasil-ind.pdf.

Brasil. (2012). Resolução cne/ceb n.º 5, de 22 de junho de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena na Educação Básica. Recuperado em 18 de abril de 2020, de http://www.crmariocovas.sp.gov.br/Downloads/ccs/concurso_2013/PDFs/resol_federal_05_12.pdf.

Brasil. (2013). Resolução/cd/fnde n.º 26, de 17 de junho de 2013. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar - pnae. Brasília/df. Recuperado em 12 de setembro de 2019, de https://www.fnde.gov.br/index.php/acesso-a-informacao/institucional/legislacao/item/4620-resolu%C3%A7%C3%A3o-cd-fnde-n%C2%BA-26,-de-17-de-junho-de-2013.

Brasil. (2015). Resolução cne n.º 1 de 7 de janeiro de 2015. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores Indígenas em cursos de Educação Superior e de Ensino Médio e dá outras providências. Recuperado em 18 de abril de 2020, de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16870-res-cne-cp-001-07012015&Itemid=30192.

Brasil. (2018). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Ministério da Educação. Censo Escolar 2018. Brasília/df. Recuperado em 25 de agosto de 2019, de http://inep.gov.br/censo-escolar.

Castro-Gómez, S. (2011). Crítica de la razón latinoamericana. Bogotá: Pontificia Universidad Javeriana.

Castro-Gómez, S. & Grosfoguel, R. (2007). Prólogo. Giro decolonial, teoría crítica y pensamiento heterárquico. In S. Castro-Gómez & R. Grosfoguel (coords.) El Giro Decolonial: Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos, Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar.

Estermann, J. (2006). Filosofía Andina: Sabiduría indígena para un mundo nuevo. 2.ª ed. La Paz: iseat.

Ferreira, M. K. L. (1992). Da origem dos homens a conquista da escrita: um estudo sobre os povos indígenas e educação escolar no Brasil. Dissertação de Mestrado em Antropologia social. São Paulo, usp.

Fornet-Betancourt, R. (2001). Lo intercultural: el problema de su definición. In Intercultural: balance y perspectivas. Encuentro Internacional sobre Interculturalidad. Barcelona: cidob. Recuperado em 7 de setembro de 2019, de http://www.cidob.org/es/publicaciones/monografias/monografias/interculturael_balance_y_perspectivas.

Freire, J. R. B. (2004). Trajetória de muitas perdas e poucos ganhos. Educação escolar. Rio de Janeiro: uerf.

Grosfoguel, R. (2016). A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século xvi. Revista Sociedade e Estado, 31(1), Jan./Abril. https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100003

Guajajara, S. (2019). Educação Indígena: esperança de cura em tempos de enfermidade. In F. Cássio (coord.) Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar (pp. 171-174). São Paulo: Boitempo.

Krause, J. I. A. (2019). Modernidad y conquista. El despertar de los derechos fundamentales y del derecho internacional en Francisco de Vitoria. Las Torres de Lucca, 8(15), 15-40, Jul.-Dic.

Mejía Huamán, M. (2010). Hacía una Filosofía Andina. Lima/Peru. 2.ª edición computarizada.

Mejía Huamán, M. (2011). Teqse: la cosmovisión andina y las categorias quéchuas como fundamentos para una filosofía peruana y de América Andina. Lima/Peru: Editorial Universitaria.

Mejía Huamán, M. (2018). Hacia una filosofía andina. Santiago de Surco/Peru: Universidad Ricardo Palma - Instituto de Investigaciones Filosóficas.

Melià, B. (1979). Educação indígena e alfabetização. São Paulo: Loyola.

Méndez, J. M. M. (2009). Educação intercultural e justiça cultural. São Leopoldo: Nova Harmonia.

Mignolo, W. (2010). Desobediencia epistémica. Buenos Aires: Ediciones del Signo.

Mignolo, W. (2013). Historias locales/diseños globales. Madrid: Akal.

Mignolo, W. (2017). Colonialidade: O lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, 32(94). https://doi.org/10.17666/329402/2017

Nascimento, J. M. (coord.). (2012). Etnoeducação potiguara: pedagogia da existência e das tradições. João Pessoa: Ideia.

onu - Organização das Nações Unidas. (2007). Declaração das Nações Unidas sobre Direitos dos Povos Indígenas. Recuperado em 8 de outubro de 2019, de https://pib.socioambiental.org/files/file/PIB_institucional/DECLARACAO_DAS_NACOES_UNIDAS_SOBRE_OS_DIREITOS_DOS_POVOS_INDIGENAS.pdf.

Palermo, Z. (2009). Conocimiento «otro» y conocimiento del otro en América Latina. Estud. - Cent. Estud. Av., Univ. Nac., 21, 79-90.

Quijano, A. (2009). Colonialidade do Poder e Classificação Social. In B. de S. Santos & M. de P. Meneses (coords.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina S. A.

Quintriqueo Millán, S. y Quilaqueo Rapimán, D. (coords.). (2019). Educación e interculturalidad: aproximación crítica y decolonial en contexto indígena. Temuco-Chile: Ediciones Universidad Católica de Temuco.

Santa Catarina (2018). Política da Secretaria de Estado da Educação de Educação Escolar Indígena. Florianópolis: Secretaria de Estado da Educação.

Sawaya, S. M. (2006). Desnutrição e baixo rendimento escolar: contribuições críticas. Estudos Avançados, São Paulo, 20(58), dez. https://doi.org/10.1590/S0103-40142006000300015

Silva, S. F. da. & Leite, C. M. C. (2018). Etnogeografia Potiguara da Paraíba: reflexões sobre o ensino de Geografia em escolas indígenas. Revista okara: Geografia em debate, 12(1), 80-101. https://doi.org/10.22478/ufpb.1982-3878.2018v12n1.38218

unicef. (2014). Fundo das Nações Unidas para a Infância. Recuperado em 21 de outubro de 2019, de https://www.unicef.org/brazil/.

Verene, M. R. y Velanga, C. T. (2008). A criança indígena e a educação infantil: as complexas relações entre a cultura e a escola na cidade. Revista Tellus, ano 8, 15, 175-191, jul./dez. Campo Grande/ms.

Vitoria, F. de (2006 [1539]). Os índios e o direito da guerra: de indis et de jure belli relectiones. Ijuí: Unijuí.

Walsh, C. (2013). Lo pedagógico y lo decolonial: Entretejiendo caminos. In C. Walsh (ed.) Pedagogías decoloniales: Prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Quito: Ediciones Abya-Yala.

Walsh, C. (2014). Pedagogías decoloniales caminando y preguntando. Notas a Paulo Freire desde Abya Yala. Revista Entramados - Educación y Sociedad, 1, 17-31.