Contenido principal del artículo

Lucilene Amarante
Universidade Estadual de Maringá (Brasil)
Brasil
Biografía
Jani Alves Da Silva Moreira
Universidade Estadual de Maringá (Brasil)
Brasil
Biografía
Leonardo Dorneles Gonçalves
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Brasil)
Brasil
Biografía
Vol. 27 (2021), Estudios, Páginas 249-261
DOI: https://doi.org/10.14201/aula202127249261
Cómo citar

Resumen

El texto analiza el programa Tiempo de Aprender, presentado como una política de alfabetización por el Ministerio de la Educación de Brasil en el año de 2020. Se trata de los resultados de una búsqueda exploratoria y de análisis documentales que analiza los presupuestos teóricos y pedagógicos presentes en el programa instituido por la Disposición n.º 280/2020 (Brasil, 2020), cuyo propósito se fundamenta en la delimitación de las metas para el área, bien como en la performatividad docente para enfrentar los problemas de la alfabetización en el país. Las discusiones se relacionan con aspectos sobre los límites y posibilidades del programa mediante el problema del analfabetismo en el contexto de los colegios públicos brasileños. Los resultados indican que el programa Tiempo de Aprender enfoca la relación d

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Citas

AFONSO, A. J. (2019). A propósito de políticas de accountability em educação: leituras outras em torno de um projeto de pesquisa. In M. P. SCHNEIDER e E. L. NARDI, Políticas de accountability em educação: perspectivas sobre avaliação, prestação de contas e responsabilização (pp. 07-15). Ijuí: Ed. Uníjui.
BALL, S. (2001). Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em Educação. Currículo sem Fronteiras, 1(2), 99-116, jul./dez.
BALL, S. (2002). Reformar escolas, reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, 15(2), 3-23. Universidade do Minho: Braga, Portugal.
BOWE, R.; BALL, S. e GOLD, A. (1992). Reforming education & changing schools: case studies in policy sociology. London: Routledge.
BRASIL. (1998). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal.
BRASIL. (2018). Relatório SAEB/ANA 2016: Panorama do Brasil e dos estados. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.
BRASIL. (2020). Portaria n.º 280, de 19 de fevereiro de 2020 - Portaria n.º 280, de 19 de fevereiro de 2020. DOU - Imprensa Nacional. Publicado em: 21/02/2020 Ed: 37, Seção: 1 Página: 69.
CAGLIARI, L. C. (1989). Alfabetização e Linguística. São Paulo: Scipione.
CARA, D. (2019). Contra a barbárie, o direito à educação. In F. CASSIO (org.), Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. 1.ª ed. São Paulo: Boitempo.
CASTANHEIRA, S. F. (2014). Formação de professores: do direito à educação ao direito à aprendizagem. In M. A. SILVA e C. da CUNHA (orgs.), Educação Básica: Políticas, avanços e pendências. Campinas, SP: Autores Associados.
FILHO, L. J. M. e BARROS-MENDES, A. das N. N. (2020). Posicionamento da ABALF frente ao Programa de Alfabetização «Tempo de Aprender». Universidade do Estado de Santa Catarina. SC, www.abalf.org.br
FRADE, I. C. A. da S. (2020). Palavra aberta - BNCC e a alfabetização em duas versões: concepções e desafios. Educação em Revista, 36. Belo Horizonte. Dossiê Alfabetização e Letramento no Campo Educacional. Ed. 220676.
FREITAS, L. C. de (2018). A reforma empresarial da educação - nova direita, velhas ideias. 1.ª ed. São Paulo: Expressão popular.
GADOTTI, M. (1982). A Educação contra a educação. São Paulo: Cortez.
LENARDÃO, E. e GALUCH, M. T. B. (2018). Pedagogia das competências: implicações para a formação docente. In L. H. NAGEL, E. J. G. de CARVALHO e M. C. G. MACHADO (orgs.), Bases teóricas e práticas da educação brasileira. Maringá: Eduem.
MORTATTI, M. do R. L. (2010). Alfabetização no Brasil: conjecturas sobre as relações entre políticas públicas e seus sujeitos privados. Revista Brasileira de Educação, 15(44), maio/ago.
MORTATTI, M. do R. L. (2019). Métodos de alfabetização no Brasil: uma história concisa. São Paulo: Ed. Unesp Digital.
SANTOS, D. (2017). Educação e precarização profissionalizante: crítica à integração da escola com o mercado. São Paulo: Instituto Lukács.
SAVIANI, D. (2007). Educação: do senso-comum à consciência filosófica. 17.ª ed. Campinas, SP: Autores Associados.
SCHNEIDER, G. (2012). Política educacional e instrumentos de avaliação: pensando um índice de condições materiais da escola. Curitiba: Appris.
SILVA, R. e MOREIRA, J. A. da S. (2019). A educação, reformas curriculares e as propostas do Banco Mundial no contexto pós-golpe (2016-2018). Colloquium Humanarum, Presidente Prudente, 16(1), 145-162, jan/mar.
SMOLKA, A. L. B. (1998). A criança na fase inicial da escrita: a alfabetização como processo discursivo. São Paulo: Cortez; Campinas. UNICAMP.