Contenido principal del artículo

Glória Solé
Universidade do Minho
Portugal
https://orcid.org/0000-0003-3383-5605
Vol. 12 (2021), Monográfico, Páginas 21-59
DOI: https://doi.org/10.14201/fdp2021122159
Derechos de autor Cómo citar

Resumen

Este artigo visa analisar de forma crítica e fundamentada com base em revisão de literatura, estudos empíricos, legislação em vigor e nos documentos normativos, como está estruturado o ensino da História em Portugal e as mudanças operadas nas últimas décadas. Procede-se a uma breve descrição e contextualização do sistema educativo português, como é que este está estruturado, quais os níveis de escolaridade em que se ensina História, qual a carga horária atribuída a esta área disciplinar, comparativamente a outras áreas do Currículo, bem como os documentos normativos atuais que regem o ensino da História em Portugal. A partir dos documentos orientadores analisam-se os conteúdos de História por níveis de escolaridade, que peso têm os conteúdos conceptuais em relação aos procedimentais e atitudinais, como é integrado o património e a cidadania nos programas de história, o enfoque dado à história nacional em relação à história europeia e mundial e qual o papel dos manuais escolares e como se processa atualmente a formação de professores de História para os vários ciclos de ensino. Concluímos que os programas de História ainda mantêm uma estrutura linear e cronológica, com grande enfoque na História de Portugal, ou seja, prevalecendo uma História Nacional, embora integrada na História Europeia e Mundial a partir do 3.º CEB. Mudanças profundas têm surgido no ensino da História em Portugal, operadas pelos documentos curriculares em vigor, pela renovação dos manuais escolares em linha com as novas orientações curriculares e uma aposta na formação docente que privilegie a formação contínua e o ensino por competências, em sintonia com a agenda para a Educação do Século XXI (UNESCO).

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Citas

Anderson, L. W. & Krathwohl, D. R. (2001). A taxonomy for learning, teaching and assessing: A revision of Bloom’s taxonomy of educational objectives. Complete Edn. Longman.

Afonso, I. (2014). O papel do manual de História no desenvolvimento de competências: um estudo com professores e alunos do ensino secundário [Tese de doutoramento inédita não publicada, Universidade do Minho].

Afonso, I. & Alves, L. A. (2018). Manuais escolares do ensino secundário em Portugal e Brasil: similitudes e diferenças. In G. Solé & I. Barca (Org.), O Manual Escolar no Ensino da História: Visões Historiográficas e Didática (pp. 108-137). Lisboa: Associação de Professores de História (APH).

APH. (2018). Associação de Professores de História. https://aph.pt/categoria/publicacoes/circular-informacao/.

Barca, I. (2004). Para uma Educação Histórica de Qualidade. In I. Barca (org.), Actas das IV Jornadas Internacionais de Educação Histórica: Para uma Educação Histórica de Qualidade (pp. 131-144). Braga: CIED, Universidade do Minho.

Barca, I. & Solé, G. (2012). Educación histórica en Portugal: metas de aprendizaje en los primeros años de escolaridad. REIFOP, 15(1), pp. 91-100.

Cainelli, M; Pinto, H. & Solé, G. (2016). Portugal and Brazil: How Much of ‘Our’ Past Is ‘Theirs’too? Robert Guyver (Ed.). Teaching History and the Changing Nation State: Transnational and Intranational Perspectives (pp. 123-140). London: Bloomsbury Academic. https://doi.org/10.5040/9781474225892.ch-007

Gago, M. (2018a). Consciência Histórica e Narrativa na aula de História. CITCEM-FLUP. Santa Maria da Feira: Edições Afrontamento. https://doi.org/10.21747/978-989-8970-00-8/cons

Gago, M. (2018b). Ser professor de história em tempos difíceis: início de um processo formativo. Antíteses, 11(22), pp. 505-515. https://doi.org/10.5433/1984-3356.2018v11n22p505

Gago, M. (2020) A aula oficina na caminhada de aprender a ser professor de história. Roteiros, 45, pp. 1-18. https://doi.org/10.18593/r.v45i0.21736

Garcia, T. & Schmidt, M. A. (2013). Os manuais escolares em pesquisa: significados da experiência escolar aprendendo. In T. Garcia; M. A. Schmidt & R. Valls (orgs.) Didática, História e manuais escolares: contextos ibero-americanos (pp. 11-30). Ijuí: Editora Unijuí.

Garcia, T., Schmidt, M. A. & Valls, R. (orgs.). (2013). Didática, História e manuais escolares: contextos ibero-americanos. Ijuí: Editora Unijuí.

Gómez, C. J. (2014). Pensamiento histórico y contenidos disciplinares en los libros de texto. Un análisis exploratorio de la Edad Moderna en 2.º de ESO. Ensayos. Revista de la Facultad de Educación de Albacete, 29(1), pp. 131-158.

Gómez, C., Solé, G., Miralles, P. & Sanchéz, R. (2020). Analysis of Cognitive Skills in History Textbook (Spain-England-Portugal). Front. Psychol. 11:521115. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2020.521115.

Gonçalves, J. (2010). O uso do manual escolar enquanto recurso promotor do desenvolvimento de competencias históricas [Dissertação de Mestrado inédita não publicada, Universidade do Porto].

Correia, L. G. (2016). A história no ensino básico em Portugal no último quartel: perspectiva curricular. Diálogos, 19(1), pp. 289-305. https://doi.org/10.4025/dialogos.v19i1.1053

EF. (2020). Cooperação europeia no domínio da educação e da formação (quadro estratégico EF 2020). http://unescoportugal.mne.gov.pt/pt/temas.

Lagarto, M. (2016). Desenvolver e avaliar competências em História um estudo com professores do Ensino Básico. [Tese de Doutoramento inédita não publicada, Universidade do Minho].

Lee, P. (2014). Fused Horizons? UK research into students’ second-order ideas in history: a perspective from London. M. Köster, H. Thünemann, M. ZülsdorfKirsting (Eds). Researching History Education: International Perspective and Disciplinary Traditions (pp. 170-194). Schwalbach: Wochenshau Verlag.

López Facal, R. (2010). Nacionalismos y europeísmos en los libros de texto: identificación e identidad nacional. Clío y asociados: la historia enseñada, 14, pp. 9-33. https://doi.org/10.14409/cya.v1i14.1673

Magalhães, J. P. (1999). Um apontamento para a História do manual escolar. Entre a produção e a representação. Castro, R. V. de et al. (orgs.), Manuais Escolares: estatuto, funções, História (pp. 279-302). Braga: Universidade do Minho.

Melo, M. C. (2015). A formação de professores de História em Portugal: práticas pedagógicas e investigativas. Revista História Hoje, 4(7), pp. 41-61. https://doi.org/10.20949/rhhj.v4i7.177

Morgado, J. C. (2004). Manuais escolares- Contributo para uma análise. Porto Editora.

Moreira, G. (2004). As fontes históricas propostas no manual e a construção do conhecimento histórico. Um estudo com alunos do 3.º ciclo do ensino básico [Tese de Mestrado inédita não publicada, Universidade do Minho].

Nadal, I. (2001). De lo cercano y lo lejano como critério de ordenación del currículo de Ciencias Sociales. Boletín Informativo Asociación Universitaria del Profesorado de Didactica de las Ciencias Sociales, 9. http://www.didactica-ciencias-sociales.org/boletines_archivos/BOLETIN9.HTM#cercano.

Necchi, L. (2017). O novo humanismo como princípio de sentido da didática da história: reflexões a partir da consciência histórica de jovens ingleses e brasileiros [Tese de Doutoramento inédita não publicada, Universidade Federal do Paraná]. Curitiba.

Osler, A. & Starkey, H. (2010). Teachers and Human Rigths Education. IoE.

OECD. (2016). Preliminary reflections and research on knowledge, skills, attitudes and values necessary for 2030. http://www.oecd.org/education/2030/.

OECD. (2018). Projet Future of Education and Skills 2030. E2030 Position Paper (05.04.2018).pdf (oecd.org).

Pacheco, E. & Solé, G. (2021). Ser professor da geração Alpha - os desafios da profissionalização para a docência e a promoção de competências em História e Geografia. In Cosme Gómez, Xosé Manuel Souto & Pedro Miralles (eds.), Enseñanza de las ciencias sociales para una ciudadanía democrática- Estudios en homenaje al profesor Ramón López Facal (pp.71-92). Ediciones Octaedro.

Pires, E. (1987). Lei de Bases do Sistema Educativo: apresentação e comentários. Edições Asa.

Pinto, H. & Molina Puche, S. (2015). La educación patrimonial en los currículos de ciências sociales en España y Portugal. Educatión Siglo xxi, 33(1), pp. 103-128. https://doi.org/10.6018/j/222521

Prats, J. & Santacana, J. (2011). ¿Por qué y para qué enseñar historia? In J. Prats (coord.), Didáctica de la Geografía y la Historia (pp. 13-29). Graó.

Rego, A. (2014). «Vamos aprender com o Manual?» Perceções de alunos do 3º Ciclo do Ensino Básico sobre o(s) uso(s) do Manual Escolar de História e Geografia [Dissertação de Mestrado inédita não publicada, Universidade do Porto].

Rodríguez, R. A. & Simón, M. M. (2014). La construcción de la narrativa nacional española en los manuales escolares de Educación Primaria. Ensayos, Revista de la Facultad de Educación de Albacete, 29(1), pp. 101-113.

Rodriguez, R. & Solé, G. (2018). Los manuales escolares de Historia en España y Portugal. Reflexiones sobre su uso en educación primaria y secundaria. Arbor, 194 (788): a444. https://doi.org/10.3989/arbor.2018.788n2004.

Roldão, M. C. (1995). O Estudo do Meio no 1.º ciclo. Fundamentos e estratégias. Texto Editora.

Roldão, M. C. (2010). Estratégias de Ensino. Fundação Manuel Leão.

Rüsen, J. (2006). Humanism and nature- some reflections on a complex relationship. The Journal for Transdisciplinary Research in Southern Africa, 2(2), pp. 265-276. https://doi.org/10.4102/td.v2i2.278

Rüsen, J. (2010). Historizing Humanity-Some Theoretical Considerations on Contextualization and Understanding regarding the Idea of Humanity. Taiwan Journal of East Asian Studies, 7(13), pp. 21-39.

Rüsen, J. (2015). Em direção a uma nova ideia de humanidade: unidade e diferença de culturas nos encontros de nosso tempo (pp. 43-56). In M. A. Schmidt et al. (orgs.), Humanismo e Didática da História. WA Editores.

Sáiz, J. & Colomer, J. C. (2014). ¿Se enseña pensamiento histórico en libros de texto de Educación Primaria? Análisis de actividades de historia para alumnos de 10-12 años de edad. Clío. History and History Teaching, 40. http://clio.rediris.es

Silva, R. (2007). A construção do conhecimento histórico a partir de actividades propostas no manual. Um estudo com alunos do 2.º Ciclo do Ensino Básico [Dissertação de Mestardo inédita não publicada, Universidade do Minho].

Solé, G. (2014). O manual escolar no ensino primário em Portugal: perspectiva histórica e análise do ensino da História através deste recurso didático. Ensayos, Revista de la Facultad de Educación de Albacete, 29(1), pp. 43-64.

Solé, G. (2017). As competências específicas no ensino da História: a dimensão da temporalidade para a compreensão histórica. CLÍO- Históry and History Teaching. Monográfico: Enseñanza de la Historia y desarrollo de las competencias sociales y cívicas, 43, pp. 89-112. In: http://clio.rediris.es/

Solé, G. (2018). A História nos manuais escolares de 1.º Ciclo do Ensino Básico: um estudo longitudinal a partir dos manuais de 4.º ano de Estudo do Meio. In G. Solé & I. Barca (org.), O Manual Escolar no Ensino da História: Visões Historiográficas e Didática (pp. 321-350). Associação de Professores de História (APH).

Solé, G. (2020). Aprendizagem histórica e formação de professores dos anos iniciais na Universidade do Minho (Portugal): a articulação entre a prática e a investigação em Educação Histórica. Roteiro, 45. https://doi.org/10.18593/r.v45i0.21997.

Solé, G., Pacheco, E. & Soares, L. (2020). Formação de professores de Geografia e de História: uma década de investigação-ação pós Bolonha. Revista Interuniversitaria de Formación del Professorado (REIFOP), 95(34.3), pp. 33-56. https://doi.org/10.47553/rifop.v34i3.81879

Solé, G. & Gago, M. (2021). The History Teacher Education Process in Portugal: a mixed method study about Professionalim development. In A. Ibáñez, J. Rodríguez, C. Va Boxtel & C. Gómez (Coord.), «Mixed Research Methods in the Training of Social Sciences», Humanities and Social Sciences Comunication, 8, 51, pp. 1-12. https://doi.org/10.1057/s41599-021-00726-9

Torgal, L. R. (1996). Ensino da História. In L.R. Torgal, J. A. Mendes & F. Catroga (eds.). História da História em Portugal Sécs. xix-xx (pp. 430-489). Círculo de Leitores.

UNESCO. (2016a). Comissão Nacional da UNESCO. Educação Nacional para o Século xxi. https://unescoportugal.mne.gov.pt/pt/temas/educacao-para-o-seculo-xxi

UNESCO. (2016b). Repensar a educação: rumo a um bem comum mundial? Brasília: UNESCO Brasil. https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000244670

Valls, R. (2001). Los estudios sobre manuales escolares de historia y sus nuevas perspectivas. Didáctica de las ciencias experimentales y sociales, 15, pp. 23-36.

Valls, R. (2007). Historiografía escolar española: siglos xix-xxi. UNED.

Valls, R. (2013). Cambios recientes, carências presentes y retos de futuro en los manuales de Historia. In T. Garcia; M. A Schmidt & R. Valls (org.). Didática, História e manuais escolares: contextos ibero-americanos (pp. 41- 67). Editora Unijuí.

Valls, R. (2018). Los manuales en el aula de historia. In G. Solé & I. Barca (org.), O Manual Escolar no Ensino da História: Visões Historiográficas e Didática (pp. 351-370). Lisboa: Associação de Professores de História (APH).

Vieira, F. et al. (2013). O papel da investigação na prática pedagógica dos mestrados em ensino. In. Bento Silva et al. (Orgs). Atas do XII Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia (pp. 2641-2655). CIEd, Universidade do Minho.