Contenido principal del artículo

Cristhian Alejandro Almonacid Díaz
Universidad Católica del Maule
Chile
Biografía
Vol. 22 (2020), Artículos, Páginas 133-153
DOI: https://doi.org/10.14201/azafea202022133153
Cómo citar

Resumen

El artículo revisa la relación entre lo voluntario y lo involuntario bajo la perspectiva de Paul Ricoeur. Bajo este enfoque se propone dialogar con las investigaciones neurocientíficas que establecen en las causas neuronales las explicaciones determinantes de la voluntad, para concluir, desde la fenomenología, que la voluntad se comprende fundamentalmente gracias a los motivos de toda elección. De esta manera, se defiende una reciprocidad entre los aspectos neurocerebrales y los actos subjetivos del querer. Esta reciprocidad manifiesta una voluntad que emerge de condiciones biológicas, pero adquiere sentido como un querer encarnado y libre.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Citas

Alabarces, P. (2012). Crónicas del aguante: fútbol, violencia y política. Buenos Aires: Capital Intelectual.

Araki, S. S., et al. (2014). Entrevistas: negociando sentidos e cocoproduzindo versões da realidade. In M. J. SPINK et al. A produção de informação na pesquisa social: compartilhando ferramentas. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Borges, C. & Rocha-Coutinho, M. L. (2015) Sentidos para a homossexualidade. In G. P. Lara & R. P. Limberti. Discurso e desigualdade social. São Paulo: Contexto.

Bourdieu, P. (2003). A economia das trocas linguísticas. In R. Ortiz. (Org.). A sociologia de Bourdieu. São Paulo: Olho D'Àgua.

Castilho, P. S. de. (2010). A criminalização é o caminho? Ações práticas e propostas legislativas de combate à violência no futebol. São Paulo: Federação Paulista de Futebol.

Dunning, E. (2014). Sociologia do esporte e os processos civilizatórios. São Paulo: Annablume.

Fairclough, N. (2008). Discurso e mudança social. Brasília: UNB.

Galeano, E. (2013). Futebol ao sol e à sombra. Porto Alegre: L&PM.

Gaskell, G. (2008). Entrevistas individuais e grupais. In G. Gaskell & M. Bauer. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes.

Giulianotti, R. (2002). Sociologia do futebol: dimensões históricas socioculturais do esporte das multidões. São Paulo: Nova Alexandria.

Hollanda, B. B. B. & Medeiros, J. & Teixeira, R. C. (2015). A voz da arquibancada: narrativas de lideranças da Federação de Torcidas Organizadas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: 7 Letras.

Hollanda, B. B. B. (2009). O clube como vontade e representação: o jornalismo e a formação das torcidas organizadas de futebol do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: 7 Letras.

Ibáñez, T. O "giro" linguístico. (2004). In L. Iñiguez. Manual de análise do discurso em ciências sociais (2ª ed). Petrópolis: Vozes.

Kennedy, P. & Kennedy, D. (2016). Football in neo-liberal times: a marxist perspective on the European football industry. Londres: Routledge. https://doi.org/10.4324/9781315739281

Lopes, F. T. P. & Reis, H. H. B. (2017). Ideologia, futebol e violência: uma análise do relatório "Preservar o Espetáculo, Garantindo a Segurança e o Direito à Cidadania". Arquivos Brasileiros de Psicologia, 69, 36- 51.

Lopes, F. T. P. (2016). A construção do problema social da violência no futebol brasileiro: dominação e resistência. Athenea Digital, 16, 89-113.

Loseke, D. R. (2008). Thinking about social problems: an introduction to constructionist perspectives (2ª ed). New Brunswick: Aldine Transaction.

Lovisolo, H. (1999). Saudoso futebol, futebol querido: a ideologia da denúncia. Logos, 6(1), s/p.

Lovisolo, H. (2011). Sociologia do esporte (futebol): conversações argumentativas. In R. Helal & H. Lovisolo & A. J. Soares. Futebol, jornalismo e ciências sociais: interações. Rio de Janeiro: EdUERJ.

Luna, S. V. (1996). Planejamento de pesquisa: uma introdução. São Paulo: Educ.

Maia, C. A. (2015). História, ciência e linguagem: o dilema relativismo-realismo. Rio de Janeiro: Maud.

Numerato, D. (2014). Who says "no to modern football?" Italian supporters, reflexivity, and neo-liberalism. Journal of Sport and Social Issues, 1-19. https://doi.org/10.1177/0193723514530566

Pinto, M. R. (2018). Pelo direito de torcer: das torcidas gays aos movimentos contrários ao machismo e à homofobia no futebol. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Proni, M. (1998). Esporte-espetáculo e futebol-empresa. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil.

Ramalho, V. & Resende. V. M. (2011). Análise de discurso (para a) crítica: o texto como material de pesquisa. Campinas: Pontes Editores.

Rocha, D. & Deusdará, B. (2005). Análise de conteúdo e análise de discurso: aproximações e afastamentos na (re)construção de uma trajetória. ALEA, 7(2), 305-322. https://doi.org/10.1590/S1517-106X2005000200010

Rojo. L. M. (2005). A fronteira interior - análise crítica do discurso: um exemplo sobre o "racismo". In L. Iñiguez. Manual de análise do discurso em ciencias sociais (2ª ed.). Petrópolis: Vozes.

Rosemberg, F. & Andrade, M. (2007). Infância na mídia brasileira e ideologia. In A. M. Jacó-Vilela & L. Sato. Diálogos em Psicologia Social. Porto Alegre: Evangraf.

Santos, I. S. C. (2016). Mercantilização do futebol e movimentos de resistência dos torcedores: histórico, abordagens e experiências brasileiras. Esporte e Sociedade, 27, 1-18.

Santos, I. S. C; Helal, R. (2016). Do espectador ao militante: a torcida de futebol e a luta pelo direito ao estádio e ao clube. Tríade: Revista de Comunicação, Cultura e Mídia, 3(7), 54-69.

Thompson, J. B. (2000). Ideologia e cultura moderna: teoria social e crítica na era dos meios de comunicação de massa (4ª ed). Petrópolis: Vozes.

Van Dijk, T. (2003) La multidisciplinariedad del análisis crítico del discurso: un alegato a favor de la diversidad. In R. Wodak & M. Meyer. Métodos del análisis crítico del discurso (pp.143-178). Barcelona: Editorial Gedisa.