Contenido principal del artículo

Javier Lizasoain Hernández
Embajada de España
Colombia
Ignacio Lizasoain Hernández
Universidad Complutense de Madrid
España
Vol. 16 Núm. e (2020), Manifestaciones sociales y artísticas, Páginas 485-502
DOI: https://doi.org/10.14201/rmc202016e485502
Cómo citar

Resumen

La Historia de la Humanidad se ha visto jalonada por el sufrimiento generado por la presencia permanente de enfermedades. Muchas de estas se convirtieron en auténticas plagas y castigos diezmando la población de ciudades y pueblos. La ciencia avanzaba de manera pausada en la búsqueda de remedios para hacer frente a estas epidemias que eran recibidas con auténtico pavor. Esa misma historia del ser humano asistía de manera simultánea al esfuerzo de ofrecer imágenes de sus efectos. De esta forma, un buen número de pintores, al margen de lenguajes o periodos artísticos, mostraban en tablas y lienzos no sólo la muerte y el dolor sino también el temor, la inseguridad y las huellas emocionales. En este artículo se pretende ofrecer un itinerario de esas formas plásticas que acompañaron a las epidemias desde la Edad Media hasta el presente siglo.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Citas

ACSELRAD, Henri. (1991), Planejamento autoritário e desordem socioambiental na Amazônia: crônicas do deslocamento da população de Tucuruí. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, v. 25. n. 4, p. 53-68, out./dez.

ANDERSON, Benedict. (2008), Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras.

BOSI, Ecléa. (1979), Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: T.A. Queiroz.

BECKER, Howard. (1977), Uma teoria da ação coletiva. Rio de Janeiro: Zahar.

CÂNDIDO, Antônio. (1971), Parceiros do Rio Bonito. São Paulo: Duas Cidades.

CASTRO, Edna. (1995), Industrialização, transformações sociais e mercado de trabalho. In:______& MOURA, Edila; MAIA, Maria Lúcia (orgs.). Industrialização e grandes projetos: desorganização e reorganização do espaço. Belém: EDUFPA, p. 91-120.

CONTAG. (1979), “Nota oficial”. Jornal de Brasília, Brasília, 3/8, s/p.

MAGALHÃES, Sônia Barbosa. (2007), Lamento e dor: uma análise sócio-antropológica do deslocamento compulsório provocado pela construção de barragens. Belém/Paris, 278 p. Tese. Universidade Federal do Pará em co-tutela com a École Doctorale Vivant et Sócietés da Universidade Paris 13.

MARTINS, José de Souza. (2009), Fronteira: a degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: Contexto.

______. (2008), Sociologia da fotografia e da imagem. São Paulo: Contexto.

POLANYI, Karl. (1980), A grande transformação: as origens da nossa época. Rio de Janeiro: Editora Campus.

POLLAK, Michael. (1992), Memória e identidade social. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, pp. 1-15.

QUEIROZ, Maria Isaura de. (1988), Relatos orais: do “indizível ao “dizível”. Enciclopédia Aberta de Ciências sociais. São Paulo, v. 5, pp. 14-43.

SIGAUD, Lygia. (1986), Efeitos sociais de grandes projetos hidrelétricos: as barragens de Sobradinho e Machadinho. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (UFRJ), Comunicação, n. 9.

SILVA, Margarete Pereira da. (2009), O bispo de Juazeiro e a ditadura militar. In: ZACHARIADHES, G. C. (org.). Ditadura militar na Bahia: novos olhares, novos objetivos, novos horizontes [online]. Salvador: EDUFBA, vol. 1, pp. 241-258. Disponível em: http://books.scielo.org. Consultado em 17/02/2018.

TRINDADE JR., Saint-Clair Cordeiro da. (2010), Cidades na floresta: os “grandes objetos” como expressões do meio técnico-científico informacional no espaço amazônico. Revista IEB, n. 30, pp. 113-137, set./mar.

______. (2008), SILVA, Marcos Alexandre Pimentel; AMARAL, Márcio Douglas Brito. Das “janelas” às “portas” para os rios: compreendendo as cidades ribeirinhas na Amazônia. In: ______ & TAVARES, Maria Goretti (org.). Cidades ribeirinhas na Amazônia: mudanças e permanências. Belém: EDUFPA, pp. 27-47.

VELHO, Otávio Guilherme. (1979), Capitalismo autoritário e campesinato. Rio de Janeiro: Difel.

Entrevistas

Ex-técnica da CPT, 56 anos. Entrevista concedida à José Carlos Matos Pereira, Brasília (DF), 17 ago. 2017.

Ex-advogado da CPT, 59 anos. Entrevista concedida à José Carlos Matos Pereira, Brasília (DF), 17 ago. 2017.

Ex-Varzanteiro, 67 anos. Entrevista concedida à José Carlos Matos Pereira, Belém (PA), 13 abr. 2018.

Expropriado, 67 anos. Entrevista concedida à José Carlos Matos Pereira, Novo Repartimento (PA), 21 abr. 2018.

Maria Helena Oliveira, 77 anos. Entrevista concedida à José Carlos Matos Pereira, Novo Repartimento (PA), 21 abr. 2018.

Agrônomo, ex-técnico da CPT, 60 anos. Entrevista concedida à José Carlos Matos Pereira, Belém (PA), 07 ago. 2017.

Expropriada, 65 anos. Entrevista concedida à José Carlos Matos Pereira, Breu Branco (PA), 19 abr. 2018.

Professora, expropriada, 57 anos. Entrevista concedida à José Carlos Matos Pereira, Novo Repartimento (PA), 25 jul. 2018.

Documentos

Denúncia e reivindicação da população de Repartimento e Adjacências, atingidas pelo reservatório da UHE de Tucuruí. Repartimento, 12 de dezembro de 1981.

Denúncia e reivindicação da população de Repartimento e Adjacências, atingidas pelo reservatório da UHE de Tucuruí. Documento II. Repartimento, 23 de maio de 1982.

Denúncia e reivindicações da população dos Varzanteiros de Itupiranga, Tauri e moradores das localidades da Rainha e Mocajuba direita, atingidos pelo projeto da hidrelétrica de Tucuruí - Reservatório - Documento III. Comissão dos Atingidos pela Eletronorte. Itupiranga, 02 de junho de 1982.

Denúncia e reivindicação da população de Repartimento, Breu Branco e Adjacências; dos Varzanteiros de Itupiranga, Tauiri e moradores das localidades da Rainha e Mocajuba direita, atingidas pelo reservatório da usina hidrelétrica de Tucuruí. Repartimento, 12 de agosto de 1982.

Lavradores da Transamazônica (km 95-110, entre Marabá e Altamira). 09 de janeiro de 1980.

Paróquia de São José da Prelazia de Cametá. Tucuruí, 05 de abril de 1979.

Relatório do Encontro de Lavradores, agentes e advogados da área de atuação do GETAT da Prelazia de Cametá. Tucuruí, 10 a 12 de dezembro de 1982.

Varzanteiros de Itupiranga à Eletronorte. Itupiranga, 02 de novembro de 1981.

Jornais

Albrás. O novo ciclo da Amazônia. O Diário do Pará, Belém, 25/10/1985, p. 5.

Expropriados cobrarão dívidas. O Liberal, Belém, 09/10/1984, s/p.

Eletronorte tenta enganar a opinião pública com documento oficial. O Diário do Pará, Belém, 13/08/1984, s/p.

Aparelho repressor esteve em ação contra ato público. O Diário do Pará, Belém, 27/06/1984, p. 4.

Decretos

FEDERAL. Decreto nº 63.952, de 31/12/1968, que cria no Ministério das Minas e Energia, o ENERAM e determina as suas atribuições. Dentre elas, o de realizar “estudos para o suprimento de energia elétrica nos principais polos de desenvolvimento daquela região”.

FEDERAL. Decreto 78.659 de 01/11/1976, que declarou de utilidade pública terras e benfeitorias nos municípios de Bagre, Itupiranga, Jacundá, Marabá, São Domingos do Capim e Tucuruí, no Estado do Pará, para que fosse implantado o canteiro de obras, unidades de serviços e a formação do lago da hidrelétrica.