Contenido principal del artículo

Andrea Jurado Muñoz
Universidad de Alcalá
España
Dolores Ruiz-Berdún
Universidad de Alcalá. Madrid
España
Vol. 16 Núm. e (2020), Formación en tiempos de COVID, Páginas 33-43
DOI: https://doi.org/10.14201/rmc202016e3343
Cómo citar

Resumen

El año 2020 ha transformado la vida de la mayoría de los habitantes del planeta. Hace un año hubiera sido inimaginable pensar que una situación como la actual pudiera ser real y no fruto de una película perteneciente al género de catástrofes. Con este artículo queremos dejar constancia de la repercusión emocional e intelectual que supuso la coincidencia de la pandemia con el desarrollo de una asignatura optativa transversal para los grados de Ciencias de la Salud centrada en el uso del cine y la literatura como recursos docentes. La coincidencia temporal del inicio del confinamiento al que se vio sometida toda la población española, con el desarrollo del módulo de catástrofes y, más concretamente con el tema de las epidemias, revistió el progreso del resto de la asignatura de un ambiente especial que tal vez no volvamos a vivir, al menos con las mismas características.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Citas

AGUIAR. Diana. A geopolítica de infraestrutura da China na América do Sul: um estudo a partir do caso do Tapajós na Amazônia brasileira. Rio de janeiro. FASE, 2017.

ANTAQ. Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Instalações portuárias autorizadas até 1872017. Brasília, 2020a.

______. Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Lista de estações de transbordo de cargas. Brasília, 2020b.

ARROYO, Mônica. Redes de circulação no uso e controle do território. In. ARROYO, Mônica; CRUZ, Rita de Cássia Ariza da. Território e circulação: a dinâmica contraditória da globalização. São Paulo, Annablume, 2015.

BARAT, Josef [org.]. Logística e transporte no processo de globalização: oportunidades para o Brasil. São Paulo, UNESP, 2007.

BARROS. Márcio Júnior Benassuly. De agrovila a nó logístico do agronegócio na Amazônia: o caso de Miritituba, Itaituba, Pará. In. Geosul, Florianópolis, v. 34, n. 71- Dossiê Agronegócios no Brasil, p. 382-406, Abril. 2019.

BECKER. Bertha. Significância contemporânea da fronteira: uma interpretação geopolítica a partir da Amazônia brasileira. In. AUBERTIN, Catherine [org.]. Fronteiras. Brasília. Editora da Universidade de Brasília, 1988.

_________; MIRANDA, Mariana; MACHADO, Lia Ozório. Fronteira amazônica: questões sobre a gestão do território. Brasília. Editora da Universidade de Brasília, 1990.

BERNARDES, Júlia Adão; ARACRI, Luiz Ângelo dos Santos. Espaço e circuitos produtivos: a cadeia carne/grãos no cerrado mato-grossense. Rio de Janeiro. Arquimedes Edições, 2010.

BERNARDES, Júlia Adão; FILHO, José Bertoldo Brandão. A territorialidade do capital. Rio de Janeiro, Arquimedes Edições, 2009 (Geografia da soja II).

____________; ARRUZZO, Roberta carvalho. Novas fronteiras da técnica no vale do Araguaia. Rio de Janeiro, Arquimedes Edições, 2009 (Geografia da soja III).

BORGES, André. Gigantes da logística descobrem Miritituba. In. Jornal Valor Econômico. São Paulo, 27/03/2013.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Arco norte: um desafio logístico. Brasília, DF, 2016 (Estudos Estratégicos, 6).

CASTILLO, Ricardo. Agronegócio e logística em áreas de cerrado: expressão da agricultura científica globalizada. In. Revista da ANPEGE. V. 3, 2007.

_______. Agricultura globalizada e logística nos cerrados brasileiros. In. Silveira, Márcio Rogério. Org. Circulação, transportes e logística: diferentes perspectivas. 1ª edição. São Paulo: Outras Expressões, 2011.

CNI. Confederação Nacional da Indústria. Entraves logísticos ao escoamento de soja e milho. Brasília, DF, 2015.

DAVID. Maria Beatriz de Albuquerque. O papel atual da fronteira agrícola. In. Texto para discussão interna n. 63. Rio de Janeiro, IPEA, 1984.

DELGADO, Guilherme Costa. Capital financeiro e agricultura no Brasil: 1965-1985. São Paulo. Ícone Editora, 1985.

________. Guilherme Costa. Do capital financeiro na agricultura à economia do agronegócio: mudanças cíclicas em meio século (1965-2012). Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2012.

FREDERICO, Samuel. Região e modernização agrícola. In. BERNARDES, Julia Adão; SILVA, Catia Antônia da; ARRUZZO, Roberta Carvalho. Espaço e energia: mudanças no paradigma sucroenergético. Rio de Janeiro: Lamparina, 2013.

GONÇALVES NETO. Wenceslau. Estado e agricultura no Brasil: política agrícola e modernização econômica brasileira 1960-1980. São Paulo. Editora Hucitec, 1997.

GONÇALVES. Carlos Walter Porto. Amazônia: encruzilhada civilizatória. Rio de Janeiro. Consequência Editora, 2017.

HOEFLE, Scott William. A fronteira agrícola na Amazônia do século XXI: identidade regional, sistema agrícola, ética ambiental e modo de vida rural. In. Revista Brasileira de Geografia. Rio de Janeiro. 62 (1), Jan/Jun. 2017.

IANNI, Otavio. Colonização e contra-reforma agrária na Amazônia. Petrópolis: Vozes, 1979.

IBASE. Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas. Portos no rio Tapajós: ao arco do desenvolvimento e da justiça social? Rio de Janeiro, 2017.

LÉNA, Philippe; OLIVEIRA, Adélia Engrácia de. Amazônia: a fronteira agrícola 20 anos depois. 2ª edição. Belém: CEJUP: Museu Paraense Emílio Goeldi, 1992 (Coleção Eduardo Galvão).

LUCIANO, Weldon. Movimentos sociais apontam existência de projetos de instalação de 34 portos no rio Tapajós nos próximos anos. Oestadonet. Santarém, 2192019.

MACHADO, Lia. A fronteira agrícola na Amazônia brasileira. In. Revista Brasileira de Geografia. Rio de Janeiro. 54 (2), Abr/Jun. 1992.

MARTINS, José de Souza. Não há terras para plantar neste verão. Petrópolis, Vozes, 1988.

________. O tempo da fronteira. Revista de Sociologia, São Paulo: Universidade de São Paulo, n. 8, p. 25-70, 1996.

MTPA. Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil. Plano mestre do complexo portuário de Santarém, Brasília, 2017.

_____. Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil. Corredores logísticos estratégicos: complexo de soja e milho. Brasília, DF, 2017.

PEREIRA, Renée. Complexo portuária de 700mi, Bunge abre nova rota de exportação. In. Jornal Estado de São Paulo. São Paulo, 25/04/2014.

REVISTA DINHEIRO RURAL. Edição de dezembro de 2017janeiro de 2018.

REVISTA GLOBO RURAL. 12º Anuário do Agronegócio. Edição de outubro de 2016.

_____________________. 14º Anuário do Agronegócio. Edição de outubro de 2018.

SANTOS. Milton. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo. Hucitec. 2008a (Coleção Milton Santos; 10).

______________. Técnica, espaço, tempo: Globalização e meio técnico científico informacional. São Paulo Hucitec. 2008b (Coleção Milton Santos; 11).

______________; SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: o território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SAUER, Sérgio; ALMEIDA, Wellington. Terras e territórios na Amazônia: demandas, desafios e perspectivas. Brasília, Universidade de Brasília, 2011.

SEP. Secretaria de Portos da Presidência da República. Plano Nacional de Logística Portuária 2015. Brasília, DF, 2015.

SILVEIRA, Márcio Rogério. Geografia da circulação, transportes e logística: construção epistemológica e perspectivas. In. SILVEIRA, Márcio Rogério [org.]. Circulação, transportes e logística. São Paulo. Outras Expressões, 2011.

SORJ, Bernardo. Estado e classes sociais na agricultura brasileira. Rio de Janeiro. Zahar Editores, 1980.

SPVEA. Superintendência do Plano de Valorização Econômica da Amazônia. Plano de Valorização Econômica da Amazônia. Belém, SPVEA, 1960.

SUDAM. Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia. II plano de Desenvolvimento da Amazônia Belém, Pará, 1975.

_______. Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia. Plano regional de Desenvolvimento 197274: avaliação preliminar. Belém, Pará, 1973.

TERRA DE DIREITOS. Tapajós: informes de uma terra em resistência. Curitiba, 2018.

VALBUENA, Rubén. Dinámicas territoriales en la región de Santarém, 1975-2005, estado de Pará, Brasil. Madrid. CIDH-CRUMA, 2010.

VALOR ECONÔMICO. Dreyfus investirá U$$ 1 bilhão em logística. Rio de Janeiro. 2042016.

VELHO. Otávio Guilherme. Frentes de expansão e estrutura agrária: estudo do processo de penetração numa área da transamazônica. 2ª edição. Rio de Janeiro. Zahar Editores, 1972.

VIEIRA FILHO. José Eustáquio Ribeiro. Expansão da fronteira agrícola no Brasil; desafios e perspectivas. In. Texto para discussão n. 2223. Rio de Janeiro, IPEA, agosto de 2016.