Contenido principal del artículo

Javier Bragado Echevarría
Doctor en Historia Moderna. Investigador y docente
España
Vol. 21 (2020), Artículos, Páginas 45-81
DOI: https://doi.org/10.14201/cuadieci2020214581
Cómo citar

Resumen

En la segunda mitad del siglo xviii el ejército borbónico experimentó una serie de cambios que implicaron la reducción de su componente extranjero. Sin embargo, el recurso a soldados de otras naciones sobrevivió teniendo que evolucionar hacia la combinación de agentes privados y estatales, lo que explica la coexistencia en este periodo de cuatro sistemas de provisión de soldados desde fuera de la Península Ibérica: la recluta general de Parma, los asentistas privados en Génova, el reclutamiento de las Guardias Walonas y el de los regimientos suizos. Tras una síntesis historiográfica sobre el componente extranjero en el ejército español del xviii, en este trabajo desarrollamos la combinación de dichos sistemas desde 1748 hasta finales de siglo, momento en el que se reforzó la opción suiza, y señalamos los diferentes proyectos que se plantearon para adaptarse a la necesidad de tropa extranjera en cada coyuntura.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Citas

ABREU, Regina. M. R. M. 2010. Museus, Ruínas e Paisagens: Patrimonialização e Disputas de Sentidos. In: Guimarães, Maria da Conceição Alves de. (Org.). Museografia e Arquitetura de Museus. 1 ed. Rio de Janeiro: UFRJ, FAU, PROARQ, v. 1, p. 190-212

ALBARELLO, Luc. 1997 (1995). Recolha e Tratamento Quantitativos dos Dados de Inquéritos. In: Prática e Métodos de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa. Gradiva. p. 48-83.

ALMEIDA, João Ferreira de; Pinto, José Madureira. 1989. Da Teoria à Investigação. Problemas Metodológicos Gerais. Cap. II. In: Metodologia das Ciências Sociais, 3ª edição. Porto. Edições afrontamento.

AUGÉ, Marc; COLLEYN, Jean- Paul. 2008 (2004). A Antropologia. Lisboa. Edições 70.

BATALHA, Luís. 2005. Antropologia: Uma Perspectiva Holística. Lisboa: Editora Universidade Técnica de Lisboa.

BERG, Mette Loiuse. 2006. O Desafio de Encontrar e Definir «o terreno»: reflexões em torno de uma investigação entre a diáspora cubana em Madrid. In: Terenos Metropolitanos: ensaios sobre produção etnográfica. Lisboa. Imprensa de Ciências Sociais.

BERNARDI, Bernardo. 2007 (1974). Introdução aos Estudos Etno-Antropológicos. Lisboa. Edições 70.

BURGESS, Robert G. 1997 (1994). A Pesquisa de Terreno. Oeiras: Editora Celta.

CARMO, Hermano; Ferreira, Manuela Malheiro. 1998. Metodologia da Investigação- Guia para Auto-aprendizagem. Lisboa. Universidade Aberta.

CLIFFORD, James. 1986. On Ethnographic Allegory. In: Writing Culture – The Poetics and Politics of Ethnography. London. University of California Press. p. 98- 121

COSTA, António Firmino. 1989. A Pesquisa de Terreno em Sociologia. Cap. V, In: Metodologia das Ciências Sociais, 3ª edição. Porto. Edições afrontamento.

DIGNEFF, Françoise. 1997 (1995). Do Individual ao Social: A abordagem biográfica. In: Prática e Métodos de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa. Gradiva. p. 203-245.

EMERSOM, Robert M.eFretz, Rachel I./ SHAW, Linda L. 1995. Writing Ethnographic Fieldnotes. Chicago. University of Chicago.

FIFE, Wayne. 2005. Doing Fieldwork - Ethnographic Methods for Research in Developing Countries and Beyond. New York. Palgrave Macmillan.

GEERTZ, Clifford. 1973. The Interpretation of Cultures. New York. Basic Book.

GONÇALVES, António Custódio. 1992. Questões de Antropologia Social e Cultural. Porto: Editora Afrontamento.

ITURRA, Raúl. 1989. Trabalho de Campo e Observação Participante em Antropologia. Cap. VI, In: Metodologia das Ciências Sociais, 3ª edição. Porto. Edições afrontamento.

KAPLAN, David; Manners Robert . 1975. Teoria da Cultura. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

MARCUS, George E. 1995. Ethnography in/of the World System: The Emergence of Multi-Sited Ethnography. In: Annual Review of Anthropology. vol.24. p. 95-117.

MALINOWSKI, Bronislaw. 2009 (1972). Uma Teoria Científica de Cultura. Lisboa. Edições 70.

MAPRIL, José. 2006. Passageiros de Schengen: a dialética entre fluxos e encerramento no trabalho de campo. In: Terenos Metropolitanos: ensaios sobre produção etnográfica. Lisboa. Imprensa de Ciências Sociais.

MAROY, Christian. 1997 (1995). A Análise Qualitativa de entrevistas. In: Prática e Métodos de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa. Gradiva. p. 117-154.

MOREIRA, Carlos Diogo.1994. Planeamento e Estratégias da Investigação Social. Lisboa. Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas.

MOREIRA, Carlos Diogo. 2007. Teorias e Práticas de Investigação. Lisboa. Instituto de Ciências Socias e Políticas.

QUINTINO, Maria Celeste Rogado. 2004. Revisão de agendas etnográficas: convés, varandas, aldeias e cidades. Lisboa. Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade Técnica de Lisboa.

RIVIÈRE, Claude. 2013 (1995). Introdução à Antropologia. Lisboa. Edições 70.

RUQUOY, Daniele. 1997 (1995). Situação de entrevista e estratégia do entrevistador. In: Prática e Métodos de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa. Gradiva. p. 84-116.

SACRAMENTO, Octávio José Rio, 2014. Atlântico passional: mobilidades e configurações transnacionais de intimidade euro-brasileiras. Instituto Universitário de Lisboa e Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

SARRÓ, Ramo; Lima, Antónia Pedrosa de. 2006. Já Dizia Malinowski: sobre as condições da possibilidade da produção etnográfica, In: Terenos Metropolitanos: ensaios sobre produção etnográfica. Lisboa. Imprensa de Ciências Sociais.