Contenido principal del artículo

Patrícia Verônica Nunes Carvalho Sobral De Souza
Universidade Tiradentes (UNIT)
Brasil
Biografía
Antônio De Moura Borges
Universidade de Brasília
Brasil
Biografía
Vol. 9 Núm. 2 (2021), Estudios, Páginas 257-277
DOI: https://doi.org/10.14201/AIS202192257277
Cómo citar

Resumen

Os direitos fundamentais e o constitucionalismo têm um laço estreito de afinidade. Assim, o surgimento deste é essencial para a materialização daquele. Assim, a delimitação e o estudo do tema objetiva delinear e fomentar o exame dos direitos fundamentais, como produto de função social do direito constitucional contemporâneo. O presente artigo tem como objetivo examinar o tema sobre o constitucionalismo na perspectiva dos direitos fundamentais. Para tanto, analise-se o panorama histórico justificador desses direitos, cirando uma relação entre os institutos. Utilizou-se de pesquisa bibliográfica, de caráter exploratório e descritivo, com base em teses, artigos e doutrinas pertinentes ao tema. O que se buscou foi ressaltar a necessidade em inter-relacionar estes institutos, para promover a discussão acerca do tema e, ainda, esclarecer a natureza dos mesmos, sua evolução e a percepção filosófica.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Citas

Alexy, R. 2015: Teoria dos Direitos Fundamentais. Trad. Virgílio Afonso da Silva. 2.ª ed. São Paulo: Malheiros.

Alves, L. J. A. 1997: Os direitos humanos como tema global. São Paulo: Perspectiva.

Andrade, C J. 2010: O problema dos métodos da interpretação jurídica. São Paulo: Revista dos Tribunais.

Araújo, L. A. D. e Serrano, V. N. 2010: Curso de direito constitucional. 10. ed. São Paulo: Saraiva.

Arendt, H. 1998: Dignidade da política. Rio de Janeiro: LTR.

Aristóteles. 1990: A política. Traduzido por Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Martins Fontes.

Assmann, H. 1993: A trilateral. Nova fase do capitalismo mundial. Rio de Janeiro/ Petropólis: Vozes.

Barroso, L. R. 2008: A Nova interpretação Constitucional: Ponderação, Direitos Fundamentais e Relações Privadas. Rio de Janeiro: Renovar.

Barroso, L. R. 2009: Direito Constitucional e a efetividade de suas normas: Limites e possibilidades da Constituição. Rio de Janeiro: Renovar.

Barroso, L. R. 2013: Percurso da diretriz constitucional contemporânea: os conceitos fundamentais e a construção do novo modelo. São Paulo: Saraiva.

Bercovici, G. e Massonetto, L. F. 2010: A constituição dirigente invertida: a blindagem da Constituição Financeira e a agonia da Constituição Económica. Portugal Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra.

Bobbio, N. 2010: A era dos direitos. São Paulo: Campus.

Bonavides, P. 2000: Ciência Política. São Paulo: Malheiros Editores.

Brasil. 1891: Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil (de 24 de fevereiro de 1891), http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao91.htm [05 set. 2017].

Brasil. 1934: Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil (de 16 de julho de 1934), http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao34.htm [05 set. 2017].

Brasil. 1988: Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico.

Brasil. 2010: Pesquisa Nacional Amostras de Domicílios, realizadas pelo IBCE. Indicadores sobre crianças e adolescentes. Brasil 1991-1996. Brasília/Rio de Janeiro: Unicef/IBGE.

Brandão Júnior, J. 2009: Controle de constitucionalidade preventivo e repressivo, http://intertemas.unitoledo.br/revista/index.php/ETIC/article/viewFile/1730/1649 [05 de set. 2017].

Campos, Carlos Alexandre de Azevedo. 2014: Dimensões do Ativismo Judicial do Supremo Tribunal Federal. Rio de Janeiro: Forense.

Canotilho, J. J. G. 2010: Fundamentos da constituição. Coimbra: Coimbra Editora.

Carvalho Netto, M. 2004: «A hermenêutica constitucional sob o paradigma do Estado Democrático de Direito». In M. A. C. de Oliveira: Jurisdição e hermenêutica constitucional no Estado Democrático de Direito. Belo Horizonte.

Castilho, C. T. 2010: Slave Emancipation and Transformations in Brazilian political citizenship. Pittsburgh: University of Pittsburgh Press.

Chiovenda, G. 2012: Instituições de direito processual civil. São Paulo: Bookseller.

Cunha, L. J. C. 2012: «As causas repetitivas e a necessidade de um regime que lhes seja próprio». Revista da Faculdade de Direito do Sul de Minas, jul/dez 2012, 25(2): 236-268.

Cunha Júnior, D. 2007: Controle de constitucionalidade. Salvador: Juspodivm.

Cunha Júnior, D. 2015: Ativismo judicial e concretização dos direitos fundamentais: ativismo judicial e concretização dos direitos fundamentais, https://www.brasiljuridico.com.br/artigos/ativismo-judicial [05 de set. 2017].

Damatta, R. 2010: A casa & a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. Jardim Ubá.

Didier Júnior, F. 2014: Curso de direito processual civil. Salvador-Bahia: Jus Podivm.

Dworkin, R. 2007: O império do Direito. São Paulo: Martins Fontes.

Ferrari, S. 2010: Constituição estadual e federação. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Ferraz Júnior, T. S. 2000: «O Judiciário frente à divisão dos poderes». Anuário dos Cursos de Pós-Graduação em Direito da UFPE, 2000, 11: 345-359.

Ferreira, L. F. G. et al. 2009: Educação em direitos humanos. João Pessoa: Editora da UFPB.

Ferreira Filho, M. G. 2012: Do processo legislativo. São Paulo: Saraiva.

FREIRE, P. 2010: Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gervasoni, T. A. e Leal, M. C. H. 2013: Judicialização da política e ativismo judicial na perspectiva do Supremo Tribunal Federal. Curitiba: Multideia Editora.

Gonçalves, M. F. 2008: Fundamentação ética e hermenêutica — alternativas para o direito. Florianópolis-SC: CESUSC.

Grinover, A. P. e Cappelletti, M. 2010: Novas Tendências do Direito Processual. São Paulo: Forense Universitária.

Hage, J. 1999: Omissão inconstitucional e direitos subjetivos. Brasília: Brasília Jurídica.

Hegel, G. W. F. 1975: Werke in 20 Bänden. Frankfurt a. M.: SuhrkampVerlag.

Hirschl, R. 2009: «O novo constitucionalismo e a judicialização da política pura no mundo». Revista de Direito Administrativo, maio/ago. 2009, 251: 139-175.

Kobus Junior, M. 2011: O incidente de resolução de demandas repetitivas, presente nos artigos 930 A 941 do PL Nº 8.046/2010 — projeto de lei do novo código de processo civil brasileiro, como instrumento de efetivação do acesso à justiça. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina — UFSC.

Kruppa, S. M. P. 1998: Sociologia e educação. São Paulo: Moderna.

Jorge Neto, F. P. e Cavalcante, J. Q. P. 2012: Princípios constitucionais. Rio de Janeiro: Lúmen Júris.

Lakatos, E. M. e Marconi, M. de A. 2017: Técnicas de Pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 8. ed. São Paulo: Atlas.

Lemke, N. D. 2005: «Lacunas no sistema jurídico e as concepções não positivistas da norma». Revista Jurídica: Universidade Regional de Blumenau, 2005.

Lenza, P. 2012: Direito constitucional esquematizado. São Paulo: Método.

Leite, L. F. 2008: Interpretação e discricionariedade. São Paulo: RCS.

Lima, G. R. 2010: O controle preventivo de constitucionalidade realizado pelo Poder Legislativo. Brasília: Instituto Brasiliense de Direito Público — IDP.

Lopes Júnior, A. 2014: Introdução crítica ao processo penal: fundamentos da instrumentalidade garantista. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Machado, P. A. S. 2006: Políticas públicas e educação no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Marx, K. e Engels, F. 1979: Manifesto do partido comunista. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Mesquita, B. U. 2011: Incidente de resolução de demandas repetitivas como instrumento de aplicação dos princípios da segurança jurídica e da igualdade, http://repositorio.uniceub.br/bitstream [set./2017].

Moraes, A. 2008: Direito constitucional. São Paulo: Atlas.

Mota, S. e Douglas, W. 2008: Direito constitucional: teoria, jurisprudência e 1000 questões. Rio de Janeiro: Impetus.

Pessoa, R. S. 2013: Controle de constitucionalidade: jurídico-político ou político-jurídico?, http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto [set./2017].

Pinheiro, C. O. 2011: Educação, cidadania e direito: a chave da conquista. São Paulo: EDUSF.

Ribeiro, R. J. 2001: A democracia. São Paulo: Publifolha.

Rocha, F. B. 2009: Juizados Especiais Cíveis: Aspectos Polêmicos da Lei 9.099/95, de 26/09/95. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Rodriguez, J. R. 2013: Como decidem as cortes. Para uma crítica do direito brasileiro. Rio de Janeiro: fjV.

Rousseau, J. J. 1995: Do contrato social: Discurso sobre economia política. Rio de Janeiro: Vozes.

Santos, B. S. 2007: Renovar a teoria critica e reinventar a emancipação social. São Paulo: Boitempo.

Santos, M. C. S. 2007: Políticas e reformas no Brasil. Campinas, SP: Papirus.

Sarlet, I. W. 2006a: A eficácia dos direitos fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogado.

Sarlet, I. W. 2006b: Dignidade da Pessoa Humana e Direitos Fundamentais. Porto Alegre, Livraria do Advogado.

Shecaira, S. S. 2002: Teoria da pena. São Paulo: Revista dos Tribunais.

Sieyés, E. J. 2008: Exposição refletida dos direitos do homem e do cidadão. Rio de Janeiro: Lumen Júris.

Silva, J. A. 2010: Aplicabilidade das normas constitucionais. São Paulo: Malheiros.

Silva, V. A. 2006: Teoria do direito Constitucional. São Paulo: Malheiros.

Silva, V. A. 2011: Direitos fundamentais: conteúdo essencial, restrições e eficácia. São Paulo: Malheiros.

Silva, V. T. 2009: O princípio da proteção à confiança. Rio Grande do Sul: Pontifícia Universidade Católica do Estado do Rio Grande do Sul.

Simões, B. C. A. 2014: A evolução do constitucionalismo. Conteúdo Jurídico, Brasília-DF: 13 mar.

Simões, C. 2013: Curso de direito social. São Paulo: Cortez.

Soliano, V. 2012: Ativismo Judicial no Brasil: em busca de uma definição. Monografia (Especialização em Direito Público). Salvador: Instituto JusPodivm.

Souza, M. C. 2008: Curso de processo legislativo básico. Brasília: Gráfica do Senado.

Streck, L. L. 2013: «O constitucionalismo no Brasil e a necessidade da insurgência do novo: de como o neoconstitucionalismo não supera o positivismo». Revista do CEJUR/TJSC: Prestação Jurisdicional, dez. 2013, 1(01): 11-28.

Teixeira, A. P. V. 2010: «Poder Judiciário e economia: uma vinculação necessária». In xxi ERED/ERAJU. Encontro Regional de Estudantes de Direito — Encontro Regional de Assessoria Jurídica Universitária. ISBN 978-85-61681-00-5.

Telles, V. S. 1999: «Direitos sociais: afinal, do que se trata?», Revista de Direito Social.

Theodoro Júnior, H. 2013: Curso de direito processual civil. Rio de Janeiro: Forense.

Tosi, G. 2004: História e atualidade dos direitos do homem. São Paulo: Paz e Terra.

Artículos más leídos del mismo autor/a