Contenido principal del artículo

Pablo Torrico-Román
Complejo Hospitalario Universitario de Badajoz
España
https://orcid.org/0000-0002-8627-4103
Biografía
Ramón González- Herranz
Servicio de Otorrinolaringología.Hospital Universitario de Fuenlabrada. Fuenlabrada. Madrid. España
España
https://orcid.org/0000-0002-4793-0593
Biografía
Vol. 11 Núm. 2 (2020), Artículo de revisión, Páginas 195-215
DOI: https://doi.org/10.14201/orl.21304
Cómo citar

Resumen

Introducción y objetivo: La parálisis de los nervios laríngeos (superior e inferior) es una complicación típicamente asociada a la cirugía tiroidea pero no exclusiva de ella. En el presente artículo se realiza un repaso en su epidemiología, clínica, diagnóstico y una actualización de los diferentes tratamientos aplicados hasta la fecha. Síntesis: La parálisis de las cuerdas vocales, a pesar de ser una complicación posible en la cirugía tiroidea, es a menudo deficientemente tratada. Su diagnóstico, su tratamiento adecuado a las expectativas y la realidad del paciente y el tiempo en el que se aplica son fundamentales para obtener un éxito que permita hacer una vida normal a quienes la sufren. Conclusiones: Al contrario de lo que se ha venido haciendo hasta ahora, la precocidad del tratamiento está demostrado como determinante en el futuro de una parálisis de las cuerdas vocales. La rápida actuación, más allá de dejar pasar el tiempo como antaño, empleando las diferentes técnicas en el momento preciso, mejora los resultados obtenidos. 

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Citas

ALVES, A. C. (2006). O contexto institucional e a relação entre Executivo e Legislativo na criação de municípios no Paraná, 1988-1996. Dissertação de Mestrado, Departamento de Sociologia, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil.

AYRES, É. O. J. (2001). Processo e política atual de desmembramento municipal no Maranhão. Tese de Doutorado em Estruturas Ambientais Urbanas, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

BANFANTI, G.; GUIMARÃES, R. V. (2004). O processo de criação de novos municípios no Mato Grosso. Anais do II Encontro de Geografia do Mato Grosso. Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

BEZERRA, J. da S. (2006). O território como um trunfo: um estudo sobre a criação de municípios na Paraíba (anos 90). Dissertação de Mestrado em Geografia, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba, Brasil.

BREMAEKER, F. E. J. (1992). Os novos municípios: surgimento, problemas e soluções. Série Estudos Especiais, nº 04, IBAM, Rio de Janeiro.

CALDAS, E. L. (2002). O processo de criação de municípios no Estado de São Paulo entre 1991 e 1996: uma abordagem institucionalista. Dissertação de Mestrado em Ciência Política, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, Brasil.

CATAIA, M. A. (2001) Território nacional e fronteiras internas: a fragmentação do território brasileiro . Tese de Doutorado em Geografia, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

CIGOLINI, A. A. (1999). A fragmentação do território em unidades político-administrativas: análise da criação de municípios no Estado do Paraná. Dissertação de Mestrado em Geografia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

FAVERO, E. (2004). Desmembramento territorial: o processo de criação de municípios – avaliação a partir de indicadores econômicos e sociais . Tese de Doutorado em Engenharia Urbana, Departamento de Engenharia de Construção Civil. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

GOMES, G. M.; MAC DOWELL, M. C. (2000). Descentralização política, federalismo fiscal e criação de municípios: o que é mau para o econômico nem sempre é bom para o social. Texto para discussão, nº 706, IPEA, Brasília.

LIMA, M. H. P. (2000). O processo de emancipação municipal no Estado do Espírito Santo . Dissertação de Mestrado em Geografia, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

MELLO, D. L. de (1992). A multiplicação de municípios no Brasil. Revista de Administração Municipal, vol. 39, nº 203, IBAM, Rio de Janeiro. pp. 23-28.

MOTTA JUNIOR, V. da. (2002). A criação de pequenos

municípios como um fenômeno da descentralização política: o caso de Itaoca–SP . Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais, Centro de Educação e Ciências Humanas. Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, Brasil.

NORONHA, R. (1997). Emancipação municipal: implicações espaciais da divisão político-administrativa do território fluminense. Dissertação de Mestrado em Geografia, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Brasil.

PINTO, G. J. (2003). Do sonho à realidade: Córrego Fundo–MG: fragmentação territorial e criação de municípios de pequeno porte. Dissertação de Mestrado em Geografia, Instituto de Geociências, Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

RIVERA, M. S. P.; MOTTA PINTO, G. F. P. (2004). Mato Grosso: conformação territorial. Anais do II Encontro de Geografia do Mato Grosso . Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá.

SHIKIDA, C. D. (1998). A economia política da emancipação de municípios em Minas Gerais. Brasília: ESAF.

SIQUEIRA, C. G. (2003). Emancipação municipal pós Constituição de 1988: um estudo sobre o processo de criação dos novos municípios paulistas. Dissertação de Mestrado em Ciência Política, Departamento de Ciência Política, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, Brasil.

TOMIO, R. de L. C. (2002). Instituições, processo decisório e relações Executivo-Legislativo nos Estados: estudo comparativo sobre o processo de criação de municípios após a Constituição de 1988. Tese de Doutorado em Ciências Sociais, Departamento de Ciência Política, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, Brasil.

WANDERLEY, C. B. (2007) Emancipações municipais em Minas Gerais: estimativas e seus impactos sociais. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.