Contenido principal del artículo

Silvana Jesus Nascimento
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Brasil
Núm. 2 (2016): Antropología del Derecho en Brasil, Artículos, Páginas 24-32
Aceptado: jul 8, 2018
Derechos de autor

Resumen

Este artículo busca relacionar los derechos de los niños y los derechos de los indígenas en legislaciones nacionales e internacionales de las cuales Brasil es signatario con las practicas locales de la red de protección al niño y al adolesciente junto al grupo indígena kaiowá de Mato Grosso do Sul (Brasil). Los kaiowá pertenecen al grupo linguístico tupi-guarani. Gran parte vive en reservas indígenas en las ciudades y municípios de Mato Grosso do Sul en situación de extremada pobreza. El objetivo del artículo es presentar y debater los retos enfrentados por las instituciones que tratan de la protección de los derechos de los niños kaiowá que pasan por situaciones de remoción de su colectivo etnico, la acojida urbana, la reinserción familiar o en la comunidad de origen y adopción indígena. El metodo empleado es el etnografico combinado con otros procedimientos metodologicos, como encuestas, observaciones, analisis de procesos judiciales, de cartoon, de discursos en reportages de periódicos digitales y de la participación en eventos organizados com el fin de debater la violencia contra niños indígenas. Los resultados apuntan que el esfuerzo del Estado por medio e instituciones y agentes de proteger los niños, partindo desde una presuposición generalista y de un reconocimiento formal de la particularidad indígena, no apenas no es suficiente para garantizar los derechos de los niños indígenas como ha sido un generador de revitimización y violencia para com estas.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Citas

BARTH, F. (2000). O Guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Org. Tomke Lask. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria.

BECKER, S.; SOUZA, O. C. N. de; OLIVEIRA J. E. de. (2013). A prevalência da lógica integracionista: negações à perícia antropológica em processos criminais do Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul. Etnográfica [Online], vol. 17 (1), p. 97-120.

BOCCARA, G. (1999). Etnogénesis mapuche: resistencia y restructuración entre los indígenas del centro-sur de Chile (siglos XVI-XVIII). In: . Acesso em: abr. 2015.

BRAND, A. J. (1993). O confinamento e seu impacto sobre os pãi-kaiowá. Dissertação de Mestrado em História. Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre. Porto Alegre.

CANTÚ da SILVA, A. de F. (2008). Criança indígena não tem direito à família? In: Correio da Cidadania. Acesso em: maio 2015.

DE LA CADENA, M. (2008). La producción de otros conocimientos y sus tensiones. De una antropologia andinista a la interculturalidad? In: DEGREGORI, Carlos Ivan. Saberes periféricos: Ensayos sobre la antropologia en America Latina. Lima: IEP. p.107-152.

FILHO COSTA, A. (2007). Políticas Sociais para os Povos Indígenas. Acesso em jul. 2015.

FONSECA, C. (2004). Os direitos das crianças: dialogando com o E.C.A. In. FONSECA, C. et al. (Orgs.). Antropologia, Diversidade e Direitos Humanos: Diálogos Interdisciplinares. Porto Alegre: UFRGS.

G1-MS. (2015). Ministério Público pede agilidade na adoção de indígenas em MS. Dourados / MS. Acesso em: fev. 2015.

HANISCH, M. (2009). The Stolen Generations: Critical reflections on the forced removals of semi-indigenous children in Western Australia from 1900 until today. Pre-University Paper.

LESCANO, C. P. (2013). Fundamentos de educação guarani e kaiowá - processo próprio de ensino aprendizagem na Aldeia Taquaperi em Mato Grosso do Sul. Programa de PósGraduação em Educação (PPGE). Campo Grande – MS: Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). p. 1-10.

LUCIANO, G. S. (2006). O Índio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional.

MELIÀ, B.; GRÜNBERG, G. e F. (2008). Los Paĩ Tavyterã; etnografía guaraní del Paraguay contemporáneo. Asunción: CEPAG.

NASCIMENTO, S. J. (2013). Socialização das crianças indígenas kaiowá abrigadas e em situação de reinserção familiar: uma análise em torno da rede de proteção à criança e ao adolescente. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Faculdade de Ciências Humanas. Universidade Federal de Grande Dourados. Dourados.

OLIVEIRA FILHO, J. P. (1999). Uma etnologia dos “índios misturados”: situação colonial, territorialização e fluxos culturais. In: AViagem da Volta. Rio de Janeiro: Contracapa. p. 11-40.

OLIVEIRA, A. da C. (2014). Indígenas crianças, crianças indígenas: perspectivas para a construção da Doutrina da Proteção Plural. Curitiba: Juruá.

PEREIRA, L. M. (2002). No mundo dos parentes: a socialização das crianças adotadas entre os Kaiowá. In: SILVA, Aracy Lopes da Silva; MACEDO, Ana Vera L. da Silva; NUNES, Angela (Orgs.). Crianças Indígenas: Ensaios Antropológicos. São Paulo: Global. PEREIRA, L. M. (1999). Parentesco e organização social entre os Kaiowá. Dissertação de mestrado. Campinas: UNICAMP.

PEREIRA, L. M. (2009). A criança kaiowa no seio da família uma abordagem preliminar das relações geracionais e de gênero no microcosmo da vida social. In: OLIVEIRA, Lindamir C. V.; SARAT, Magda Orgs.). Educação infantil: história e gestão educacional. Dourados: Editora da UFGD.

PEREIRA, L. M. (2012). Expropriação dos territórios kaiowá e guarani: Implicações nos processos de reprodução social e sentidos atribuídos às ações para reaver territórios – tekoharã. Revista de Antropologia da UFSCar, v.4, n.2, p. 124-133, jul.-dez.

PIMENTEL, S. K. (2006). Sansões e Guaxos Suicídio Guarani e Kaiowá – Uma Proposta de Síntese. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo. São Paulo.

PLANO DE AÇÃO interinstitucional é firmado para garantir direitos de crianças e jovens indígenas do cone sul. (2015). Portal da Funai. Publicado no dia 29 de julho. Acesso em: jul. 2015.

SANTOS, C. D. P. (2014). A assistência social prestada pela Missão Evangélica Caiuá: análise a partir da história de vida dos velhos Guarani e Kaiowá da terra indígena de Dourados. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Ciências Humanas. Universidade Federal de Grande Dourados. Dourados.

SCHUAIGA, L. (2007). ASituação das Crianças Guarani Kaiowá da Comunidade Bororó Egressas de Abrigos Públicos do Município de Dourados/MS. Monografia (Assistência Social) – Universidade de Grande Dourados. Dourados.

SCHUCH, P. (2009). Práticas de justiça: antropologia dos modos de governo da infância e juventude no contexto pós-ECA. Porto Alegre: UFRGS.

SILVESTRE, C. M. F. (2011). Entretempos: experiências de vida e resistência entre os Kaiowá e Guarani a partir de seus jovens. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Estadual Paulista “Júlio De Mesquita Filho”. Araraquara