Contenido principal del artículo

Matheus Henrique De Souza Santos
Universidade Estadual de Campinas
Brasil
https://orcid.org/0000-0003-2873-4658
Biografía
Rodrigo Alberto Toledo
Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”
Brasil
https://orcid.org/0000-0001-6232-4703
Biografía
Vol. 7 Núm. 14 (2020): Primer Semestre 2020, Sección General, Páginas 93-107
DOI: https://doi.org/10.14201/reb202071493107
Aceptado: sep 14, 2020
Cómo citar

Resumen

El objetivo de este trabajo teórico es presentar el diálogo entre el desarrollo de las ciudades brasileñas y los intereses del capital nacional e internacional, bajo la reflexión de las concepciones de segregación urbana, expoliación urbana y vulnerabilidad. El resultado obtenido al final es la consolidación del marco teórico conceptual como instrumento de lectura de la realidad de las ciudades en Brasil que consolida, a lo largo del siglo XX, su desarrollo estrechamente ligado a los intereses del capitalismo local y la necesidad de organización urbana para atender las directrices de la economía global, en la que Brasil se esfuerza por estar incluido.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Citas

Bourdieur, P. (2014). Sobre o Estado. São Paulo: Companhia das Letras.

Buarque de Holanda, S. (2001). Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

Consituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988). Brasília, DF. Recuperado de [http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm]. Consultado [13-08-2020].

Dean, W. (1991). A industrialização de São Paulo (1880-1925). São Paulo: Bertrand Brasil.

Faoro, R. (2008). Os donos do poder. Formação do patronato político brasileiro. São Paulo: Globo.

Fernandes, F. (1987). A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Guanabara.

Furtado, C. (1982). Análise do “modelo” brasileiro (7ª Ed.). Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira.

Harvey, D. (2011). O enigma do capital: e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo.

Harvey, D. (2013). A liberdade da cidade. In E. Maricato (Org.). Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo: Carta Maior.

Kohara, L. T. (1999). Rendimentos obtidos na locação e sublocação de cortiços: estudo de casos da área central de São Paulo. Dissertação de mestrado, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Kowarick, L. (1979). A espoliação urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Kowarick, L. (1991). Cidade e cidadania: cidadão privado e subcidadão público. São Paulo em Perspectiva, 5(2), 2-8.

Kowarick, L. (2000). Escritos urbanos. São Paulo: Editora 34.

Kowarick, L. (2002). Viver em risco: sobre a vulnerabilidade no Brasil urbano. Novos Estudos Cebrap, nº 63, 9-30.

Kowarick, L. (2016). Cortiços: reflexões sobre humilhação, subalternidade e movimentos sociais. In L. Kowarick & H. Frúgoli Jr. (Orgs). Pluralidade urbana em São Paulo: vulnerabilidade, marginalidade, ativismos. São Paulo: Editora 34, FAPESP.

Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001. (2001). Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de [http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LEIS_2001/L10257.htm]. Consultado [13-08-2020].

Marandola Jr. E., & Hogan, D. J. (2005). Vulnerabilidade e riscos: entre geografia e demografia. Revista Brasileira de Estudos de População, 22(1), 29-53.

Maricato, E. (2014). O impasse da política urbana no Brasil (3ª Ed.). Rio de Janeiro: Vozes.

Maricato, E. (2013). É a questão urbana, estúpido. In E. Maricato. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo.

Pasternak, S. (2016). Favelas: fatos e boatos. In L. Kowarick, & H. Frúgoli Jr. (Org). Pluralidade urbana em São Paulo: vulnerabilidade, marginalidade, ativismos. São Paulo: Editora 34, FAPESP.

Rolnik, R. (2013). As vozes das ruas: as revoltas de junho e suas interpretações. In E. Maricato. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo.

Rolnik, R. (1989). A cidade e a lei: legislação, política urbana e territórios na cidade de São Paulo. São Paulo: Studio Nobel.

Rolnik, R. (2013). 10 anos de Estatuto da Cidade: das lutas pela reforma urbana às cidades da Copa do Mundo. Recuperado de [https://raquelrolnik.files.wordpress.com/2013/07/10-anos-do-estatuto-da-cidade.pdf]. Consultado [13-08-2020].

Santos, M. H de S. (2018). Análise da revisão do Plano Diretor de Araraquara-SP (2014): em discussão o papel do Legislativo e os pilares da participação no planejamento urbano. 2018. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São Paulo, Brasil.

Souza, J. (2019). A elite do atraso. Rio de Janeiro: Estação Brasil.

Tavares, F. M. M. (2015). O Estado na democracia deliberativa: as raízes de uma antinomia. São Paulo: Lua Nova. Revista de Cultura e Política, nº 95, 225-257. https://doi.org/10.1590/0102-6445225-257/95

Vainer, C. (2013). Quando a cidade vai às ruas. In E. Maricato. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo.

Villaça, F. (2003). A segregação urbana e a justiça (ou a justiça no injusto espaço urbano). Revista Brasileira de Ciências Criminais, ano 11, nº 44.

Villaça, F. (2005). As ilusões do Plano Diretor. São Paulo. Recuperado de [http://www.flaviovillaca.arq.br/pdf/ilusao_pd.pdf]. Consultado [13-08-2020].

Villaça, F. (2011). São Paulo: segregação urbana e desigualdade. Revista Estudos Avançados, 25(71). https://doi.org/10.1590/S0103-40142011000100004