Contenido principal del artículo

Marley Antonia Silva Da Silva
Universidade Federal do Pará
Brasil
https://orcid.org/0000-0001-8406-2169
Biografía
Benedito Carlos Costa Barbosa
Fundação Oswaldo Cruz
Brasil
https://orcid.org/0000-0001-8620-8256
Biografía
Vol. 7 Núm. 14 (2020): Primer Semestre 2020, Sección General, Páginas 109-122
DOI: https://doi.org/10.14201/reb2020714109122
Aceptado: sep 14, 2020
Cómo citar

Resumen

La ciudad de Belém, ubicada al norte de la América portuguesa, tuvo como principales habitantes a los africanos y sus descendientes, durante el período comprendido entre 1755 y 1800. El propósito de este artículo es describir aspectos de la vida de la población negra en la capital del entonces estado de Grão-Pará, destacando las experiencias de las personas esclavizadas, no solo en el mundo laboral, sino en otros aspectos que nos permiten conocer su presencia en la ciudad. Las fuentes de investigación están compuestas, grosso modo, de documentos del Archivo Histórico de Ultramar (AHU), del Archivo Público de Pará y del Libro de Visitas del Santo Oficio de la Inquisición al Estado de Grão-Pará.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Citas

Almeida, R. H. de. (1997). O diretório dos índios: um projeto de "civilização" dos Índios do século XVIII. Brasília: Ed. UnB.

Augusto, I. T. C. (2007). Entre o ter e o querer: domicílio e vida material em Santa Maria de Belém do Grão-Pará (1808-1830). Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Campina, Campinas, São Paulo, Brasil.

Baena, A. L. M. (1969). Compêndio das Eras da Província do Grão Pará. Belém: Universidade Federal do Pará.

Baena, A. L. M. (2004). Ensaio corográfico sobre a província do Pará. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial.

Barbosa, B. C. C. (2009). Em outras margens do Atlântico: tráfico negreiro para o Estado do Maranhão e Grão-Pará (1707-1750). Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil.

Barbosa, B. C. C. (2016). O comércio de africanos e o flagelo das bexigas na Amazônia Colonial (1707-1750). In T. S. Pimenta & F. Gomes. Escravidão, Doenças e práticas de cura no Brasil (pp. 36-62). Rio de Janeiro: Outras Letras.

Batista, R. C. C. (2013). Dinâmica populacional e atividade madeireira em uma vila da Amazônia: a vila de Moju (1730-1778). Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil.

Bezerra Neto, J. M. (2001). Escravidão negra no Grão-Pará: sec. XVII-XIX. Belém; Paka-Tatu.

Chambouleyron, R. (2006). Escravos do Atlântico equatorial: tráfico negreiro para o Estado do Maranhão e Pará (século XVII e início do século XVIII). Revista Brasileira de História, 26(52), 79-114. https://doi.org/10.1590/S0102-01882006000200005

Coelho, M. C. (2005). Do sertão para o mar. Um estudo sobre a experiência portuguesa na América, a partir da colônia: o caso do Diretório dos Índios (1751-1798). Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Cruz, E. (1953). Igrejas de Belém. Belém: IHGP, IGB, IHGB.

Diniz, A. da S. (2009). As artes de curar nos tempos de cólera. Recife, 1856. In S. Chaloub, V. Marques, G. Sampaio, & C. R. Galvão Sobrinho (Orgs.). Artes e ofícios de curar no Brasil: capítulos de história social (pp. 355-385). Campinas: Editora da Unicamp.

Domingues, A. (2000). Quando os índios eram vassalos. Lisboa: CNCDP.

Domingues, P. (2018). Associativismo Negro. In L. Schwarcz, & F. Gomes (Orgs.). Dicionário da escravidão e liberdade. São Paulo: Companhia da Letras.

Farage, N. (1991). As muralhas dos sertões: os povos indígenas no rio Branco e a colonização. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Farias, R. G. (2012). Pai Manoel, o curandeiro africano, e a medicina no Pernambuco imperial. Hist. cienc. Saúde-Manguinhos, 19(1), 215-231. https://doi.org/10.1590/S0104-59702012000500012

Ferreira, R. A. (2012). Cross-Cultural exchange in the Atlantic World: Angola and Brazil during the Era of the Slave Trade. Cambridge: Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/CBO9781139025096

Gomes, F. dos S. (1999). Fronteiras e Mocambos: o protesto negro na Guiana Brasileira. In F. dos S. Gomes (Org.). Nas terras do Cabo Norte: fronteiras, colonização e escravidão na Guiana brasileira XVIII-XIX (pp. 225-318). Belém: Editora Universitária UFPA.

Goularti Filho, A. (2011). História econômica da construção naval no Brasil: formação de aglomerado e performance inovativa. Revista Economia, 12(2), 309-336.

Guimarães, L. A. V. (2006). "As Casas & as Coisas": um estudo sobre vida material e domesticidade nas moradias de Belém-1800-1850. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil.

Hawthorne, W. (2010). From Africa to Brazil: Culture, Identity, and an Atlantic Slave Trade, 1600-1830. Nova York: Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/CBO9780511779176

Karasch, C. M. (2000). A vida dos escravos no Rio de Janeiro 1808-1850. São Paulo: Companhia das Letras.

Lapa, J. R. do A. (1978). Livro da Visitação do Santo Ofício da Inquisição ao Estado do Grão-Pará (1763-1769). Petrópolis: Vozes.

Laurindo Jr., L. C. (2012). A cidade de Camilo: escravidão urbana em Belém do Grão-Pará (1871-1888). Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil.

Leite, S. S. I. (1953). Artes e Ofícios dos Jesuítas no Brasil (1549-1760). Lisboa: Ed. Brotéria.

Lovejoy, P. (2002). A escravidão na África: Uma História de suas transformações. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Martins, R. S. (2014). "Do sarampão as perniciozissimas bexigas": epidemias no Grão-Pará setecentista (1748-1800). XIX Encontro Nacional de Estudos Populacionais (ABEP), 1-21.

Mello, M. E. (2015). Contribuição para uma demografia do Estado do Grão Pará e Maranhão, 1774-1821. Anais de História de Além Mar, XVI, 227-253.

Menezes, M. de N. A., & Guerra, G. A. D. (1998). Exploração de madeiras no Pará: semelhanças entre as fábricas reais do período colonial e as atuais serrarias. Cadernos de Ciência e Tecnologia, 15(3), 123-145.

Miller, J. C. (1988). Way of Death: Merchant Capitalism and the Angolan Slave Trade, 1730-1830. Madison: University of Wisconsin Press.

Miller, J. C. (2002). Central Africa During the Era of the Slave Trade, 1490s-1850s. In L. M. Heywood (Org.). Central Africans and Cultural Transformations in the American Diaspora (pp. 21-70). Cambridge: Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/CBO9780511529108.003

Miller, J. C. (2011). Restauração, reinvenção e recordação: recuperando identidades sobre a escravização na África e face à escravidão no Brasil. Revista de História, nº 164, 17-64. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i164p17-64

Palha, B. da F. (2011). Escravidão negra em Belém: mercado, trabalho e liberdade (1810-1850). Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil.

Pimenta, T. S. (1998). Barbeiros-sangradores e curandeiros no Brasil (1808-28). História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 5(2), 349-373. https://doi.org/10.1590/S0104-59701998000200005

Pires, A. F. C. (2006). A participação dos sangradores no comércio atlântico de escravos. XII Encontro Regional de História, Niterói: ANPUH, 1-9.

Reis, A. C. F. (1961). O negro na empresa colonial dos portugueses na Amazônia (Vol. V, II parte, pp. 347-353). Actas do Congresso Internacional de História dos Descobrimentos. Lisboa: Comissão Executiva das Comemorações da Morte do Infante Dom Henrique.

Salles, V. (1980). A música e o tempo no Grão-Pará. Belém: Conselho Estadual de Cultura.

Salles, V. (2005). O negro no Pará, sob o regime de escravidão (3ª Ed.). Belém: IAP.

Sampaio, P. M. (2003). Administração colonial e legislação indigenista na Amazônia portuguesa. In M. del Priori, & F. dos S. G. (Orgs.). Os Senhores dos Rios. Amazônia, margens e histórias (pp. 123-139). Rio de Janeiro: Elsevier.

Sampaio, P. M. (2012). Espelhos partidos: etnia, legislação e desigualdade na Colônia. Manaus: EDUA.

Santos, D. P. (2013). Entre Costas Brasílicas: o tráfico interno de escravos em direitura a Amazônia, c. 1778 - c. 1830. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil.

Schwartz, S. (1978). Indian Labour and The New World Plantations: european Demand and Indian Response in Northeast Brazil. The American Historical Review, 83(1), 60-72. https://doi.org/10.2307/1865902

Silva, M. A. S. da. (2012). A extinção da Companhia de Comércio e o tráfico de africanos para o Estado do Grão- Pará e Rio Negro (1777-1815). Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil.

Souza Jr., J. A. de. (2009). Tramas do Cotidiano: religião, política, guerra e negócios no Grão-Pará do setecentos: um estudo sobre a Companhia de Jesus e a política pombalina. Tese de doutorado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Souza, C. M. da C. de. (2010). A gripe espanhola na Bahia de Todos os Santos: entre os ritos da ciência e os da fé. Dynamis, vol. 30, 41-63. https://doi.org/10.4321/S0211-95362010000100002

Vergolino-Henry, A., & Figueiredo, A. N. (1990). A presença africana na Amazônia colonial: uma notícia histórica. Belém: Arquivo Público do estado do Pará.

Vianna, A. (1975). As epidemias no Pará (2ª Ed.). Belém: UFPA.