Contenido principal del artículo

Sara Talitiane Viana Machado Leandro de Lima
Universidade Estadual de Maringá
Brasil
Biografía
Mario Borges Netto
Universidade Federal de Uberlândia
Brasil
Biografía
Maria Cristina Gomes Machado
Universidade Estadual de Maringá
Brasil
Biografía
Vol. 27 (2021), Artículos, Páginas 99-115
DOI: https://doi.org/10.14201/aula20212799115
Cómo citar

Resumen

O objetivo é analisar a preocupação sobre a necessidade de propagação de métodos de ensino para a formação de professores expressa no periódico A Instrução Pública. Fundado por José Carlos Alambary Luz, o periódico foi publicado na capital imperial do Brasil, entre os anos de 1872 e 1875. Por meio das publicações, tinha o objetivo de promover o debate sobre a organização da escola pública brasileira. Com a pesquisa, constatou-se que o periódico pretendia, com suas publicações, divulgar conteúdo teórico e prático para os professores que atuavam na província do Rio de Janeiro, de forma a contribuir com a profissionalização do magistério. Dentre os temas abordados no periódico, destacou-se a publicidade dada aos métodos de ensino, dentre eles, o método intuitivo.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Detalles del artículo

Citas

A Instrução Pública. Rio de Janeiro: Typographia Cinco de Março, 1872-1875.
ALMEIDA, J. R. P. (1989). História da Instrução Pública no Brasil (1500-1889): História e legislação. Trad. Antonio Chizzotti. São Paulo, SP: EDUC; Brasília, DF: INEP/MEC.
ARAÚJO, J. C. (2002). A Imprensa, Co-partícipe da educação do homem. Cadernos de História da Educação, 1(1), 59-62, jan./dez.
BASTOS, M. H. C. (2002). As revistas pedagógicas e a atualização do professor: a Revista do Ensino do Rio Grande do Sul (1951-1992). In D. B. CATANI e M. H. C. BASTOS (orgs.), Educação em revista: a imprensa periódica e a história da educação (pp. 47-75). São Paulo: Escrituras.
BITTENCOURT, C. M. F. (2004). Autores e editores de compêndios e livros de leitura (1810-1910). Educação e Pesquisa, São Paulo, 30(3), 475-491, set./dez.
BRASIL. (1834). Lei n.º 16 de 12 de agosto de 1834. Faz algumas alterações e addições á Constituição Politica do Imperio, nos termos da Lei de 12 de Outubro de 1832. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2020.
BRASIL. (1877). Diretoria Geral de Estatística. Relatório dos trabalhos estatísticos apresentados Ilm° Exm° Sr. Conselheiro Dr. José Bento da Cunha Figueiredo, Ministro e Secretário de Estado dos Negócios do Império pelo Diretor Geral conselheiro Manoel Francisco Correia, em 31 de dezembro de 1876. Rio de Janeiro: Tipografia de Hipólito José Pinto.
DIAS, A. G. (1989). Instrução Pública em diversas províncias do norte. Col. Memórias, vol. 42, fls. 336-375. Arquivo Nacional. 1852 In J. R. P. ALMEIDA, História da Instrução Pública no Brasil (1500-1889) - História e legislação (pp. 335-365). Trad. Antonio Chizzotti. São Paulo: EDUC; Brasília: INEP/MEC.
IBGE. (1986). Repertório Estatístico do Brasil: quadros retrospectivos. Rio de Janeiro: IBGE.
LEONEL, Z. (1994). Contribuição à história da escola pública: elementos para a crítica da teoria liberal da educação, 258 ff. Tese. (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.
MACHADO, M. C. G. (2002). Rui Barbosa: pensamento e ação. Campinas, SP: Autores Associados; Rio de Janeiro, RJ: Fundação Casa Rui Barbosa.
MACHADO, M. C. G. (2006). O decreto de Leôncio de Carvalho e os pareceres de Rui Barbosa em debate: a criação da escola para o povo no Brasil no século XIX. In M. STEPHANOU e M. H. C. BASTOS (orgs.), Histórias e memórias da educação no Brasil: século XIX (pp. 91-115). 2.ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, v. 2.
MACHADO, M. C. G. (2008). O papel educativo da imprensa na formação do cidadão republicano brasileiro: a atuação de Rui Barbosa e José Veríssimo. História & Perspectivas, Uberlândia, v. 1, n. 38, 213-235, jan./jun.
MONARCHA, C. (2016). A instrução pública nas vozes dos portadores de futuros (Brasil – séculos XIX e XX). Uberlândia, MG: EDUFU.
NÓVOA, A. (2002). A Imprensa de Educação e Ensino: concepção e organização do repertorio português. In D. B. CATANI e M. H. C. BASTOS, Educação em revista: a imprensa periódica e a história da educação (pp. 11-30). São Paulo: Escrituras.
OLIVEIRA, A. (2003). O ensino público. Brasília, DF: Senado Federal, Conselho Editorial.
RODRIGUES, E. e BICCAS, M. S. B. (2015). Imprensa pedagógica e o fazer historiográfico: o caso da Revista do Ensino (1929-1930). Acta Scientiarum Education, Maringá, 37(2), 151-163, apr.-june.
SAVIANI, D. (2000). Um barão brasileiro no congresso internacional de Buenos Aires: as idéias pedagógicas de Abílio César Borges, Barão de Macahubas. História da Educação, Pelotas, 4(7), 41-58, abril.
SCHELBAUER, A. R. (2006). O método intuitivo e lições de coisas no Brasil do século XIX. In M. STEPHANOU e M. H. C. BASTOS (orgs.), Histórias e memórias da educação no Brasil: século XIX (pp. 132-149). 2.ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, v. 2.
SCHUELER, A. F. M. (2005). O Método Bacadafá: leitura, escrita e língua nacional em escolas públicas primárias da Corte imperial. História da Educação, Pelotas, 18, 173-189.
SCHWARCZ, L. M. (1998). As barbas do Imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo, SP: Companhia das Letras.
SILVA, C. M. N.; NASCIMENTO, C. V. e ZICA, M. C. (2010). Imprensa e Educação na segunda metade dos oitocentos. In C. M. M. MIZUTA, L. M. FARIA FILHO e M. R. PERIOTTO, Império em Debate: imprensa e educação no Brasil oitocentista (pp. 223-251). Maringá: Eduem.
VALDEMARIN, V. T. (2006). O método intuitivo: os sentidos como janelas e portas que se abrem para um mundo interpretado. In D. SAVIANI, O legado educacional do século XIX (pp. 86-131). 2.ª ed. Campinas, SP: Autores Associados.
VALDEZ, D. (2006). A representação de infância nas propostas pedagógicas do Dr. Abílio Cesar Borges: o barão de Macahubas (1856-1891), 319 ff. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.
VILLELA, H. O. S. (2002). Da palmatória a lanterna mágica: a Escola Normal da Província do Rio de Janeiro entre o artesanato e a formação profissional (1868-1876), 343 ff. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de São Paulo, São Paulo.