De Cipriano Barata a Teófilo Ottoni: lenguajes políticos y léxico republicano en la prensa brasileña durante el Primer Reinado

Weder FERREIRA DA SILVA, Felipe RICCIO SCHIEFLER

Resumen


En la primera década de la monarquía brasileña, el gobierno de Pedro I experimentó la oposición de sectores que estaban en contra de la opción monárquica como régimen político para Brasil. Esta oposición utilizaba la prensa como medio de propagación del ideario liberal y republicano. Ese fue el caso de los textos publicados en periódicos como Sentinela da Liberdade, editado por Cipriano Barata (1772- 1838) y Sentinela do Serro, editado por Teófilo Ottoni (1807- 1869). Al analizar estos textos a partir de las referencias de la llamada Historia de los Conceptos, procuraremos identificar en el material publicado entre la independência y los primeros años de regencia, los conceptos y narrativas políticas que derivaron del léxico republicano con el fin de comprender mejor el complejo escenario político que caracterizó al país en los años iniciales de la formación del Estado nacional.


Palabras clave


Cipriano Barata; Teófilo Ottoni; Republicanismo; Brasil Imperio; Regencias.

Texto completo:

PDF (Português )

Referencias


Araujo, L. S. de M. (2008). A Democracia da Gravata Lavada: Teófilo Ottoni, vida, identidade política, espaço público e republicanismo entre 1826 a 1842. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Araujo, V. L. (2007). Teófilo Benedito Ottoni: a força histórica de uma experiência moderna. Em Teófilo Benedito Ottoni e a Companhia do Mucuri: a modernidade possível. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Cultura; Arquivo Público Mineiro.

Araujo, V. L. (2008). A instrumentalização da linguagem. Revista do Arquivo Público Mineiro (ano XLIV, nº 2), Belo Horizonte, 50-56.

Basile, M. (2009). O "negócio mais milindroso": reforma constitucional e composições políticas no Parlamento Regencial (1831-1834). Em L. M. B. P. Neves (Org.). Livros e Impressos: retratos do Setecentos e do Oitocentos (185-219). Rio de Janeiro: Eduerj.

Basile, M. (2011). O bom exemplo de Washington: o republicanismo do Rio de Janeiro. Varia História, 27(45), 17-45. - https://doi.org/10.1590/S0104-87752011000100002

Berbel, M. (1999). A nação como artefato: deputados do Brasil nas Cortes portuguesas (1821-1822). São Paulo: Ed. Hucitec.

Bernardes, D. (2006). O patriotismo constitucional: Pernambuco, 1820-1822. São Paulo: Ed. Hucitec.

Bignoto, N. (2003). Maquiavel. Rio de Janeiro: Zahar Editor.

Bignoto, N. (2003). República dos antigos, República dos modernos. Revista USP, nº 59, 36-45. - https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i59p36-45

Bignoto, N. (2010). As aventuras da virtude: as ideias republicanas na França do século XVIII. São Paulo: Cia das Letras.

Bignoto, N. (2013). Matrizes do republicanismo. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Blake, F. V. de S. (1883) Dicionário Bibliográfico Brasileiro. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional.

Bobbio, N. & et al. (Org.) (1998). Dicionário de Política. Brasília: Editora da UnB.

Carvalho, D. (1934) Traços de uma grade vida. Teófilo Ottoni, campeão da liberdade. Rio de Janeiro: Alba.

Carvalho, J. M. (1999). Bernardo Pereira de Vasconcelos. São Paulo: Editora 34.

Carvalho, J. M. (2002). A construção da ordem. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira.

Carvalho, J. M. (2008). Trajetórias Republicanas. Revista do Arquivo Público Mineiro, ano XLIV, nº 2, 22-35.

Chagas, P. P. (1978). Teófilo Ottoni: ministro do povo. Belo Horizonte: Itatiaia; Brasília: Instituto Nacional do Livro.

Dolhnikoff, M. (2007). O pacto imperial: origens do federalismo no Brasil. São Paulo: Globo.

Duarte, R. H. (2002). Tempo, política e transformação: Teófilo Otoni e seu lenço branco. Estudos Ibero-Americanos, XXVIII(1), 101-110. - https://doi.org/10.15448/1980-864X.2002.1.23789

Feres Júnior, J. (Org.). (2009). Léxico da História dos conceitos políticos do Brasil. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

Ferreira, G. (1934). Os bandeirantes modernos: o desbravamento e a colonização das matas do valle do Mucury e a fundação da cidade de Theofilo Ottoni em Minas Gerais. Belo Horizonte: s/ed.

Frieiro, E. (1945). O Diabo na livraria do Cônego. Livraria Cultura Brasileira: Belo Horizonte.

Gonçalves, A. L. (2008). Estratificação social e Mobilizações Políticas no Processo de Formação do Estado Nacional Brasileiro: Minas Gerais, 1831-1835. São Paulo: Hucitec; Belo Horizonte: Fapemig.

Gouvêa, M. F. S. (2005). As bases institucionais da construção da unidade. Dos poderes do Rio de Janeiro joanino: administração e governabilidade no Império luso-brasileiro. In: Independência: história e historiografia. São Paulo: Hucitec.

Iglésias, F. (1976). Vida Política, 1848/1868. Em S. B. H. Holanda (Dir.). História Geral da Civilização Brasileira. São Paulo; Rio de Janeiro: Difel.

Koselleck, R. (1992). Uma História dos Conceitos: problemas teóricos e práticos. Estudos Históricos, 5(10).

Koselleck, R. (2006). Futuro e passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio.

Manin, B. R. (2007). Dictionnaire critique de la Révolution Française. Paris: Ed. Flamarion.

Mello, E. C. (2001). A ferida de Narciso. Ensaio de história regional. São Paulo: Ed. Senac.

Mello, E. C. (2004). A outra independência: o federalismo pernambucano (1817-1824). São Paulo: Ed. 34.

Morel, M. (2001). Cipriano Barata: na Sentinela da Liberdade. Salvador: Academia de Letras da Bahia.

Morel, M. (2017). A revolução do Haiti e o Brasil escravista. O que não deve ser dito. Jundiaí: Paco Editorial.

Neves, L. M. B. P. (2002). Imprensa. Em R. Vainfas (Dir.) Dicionário do Brasil Imperial. Rio de Janeiro: Objetiva.

Ribeiro, G. S. (2006). Causa nacional e cidadania: a participação popular e a autonomia na imprensa carioca do início dos anos de 1830. Em L. M. B. P. Neves et al. (Orgs.). História e Imprensa: representações culturais e práticas de poder. Rio de Janeiro: DP&A: Faperj.

Silva, L.G.S (2006). O avesso da independência: Pernambuco (1817-24). Em A Independência brasileira. Novas dimensões. Rio de Janeiro: Ed. FGV.

Silva, W. (2006). Esmagando a Hydra da discórdia: o enquadramento do pensamento exaltado pela moderação mineira. História, 5(2), 214-227. - https://doi.org/10.1590/S0101-90742006000200011

Silva, W. F. (2009) Colonização, Política e Negócios: Teófilo Benedito Ottoni e a trajetória da Companhia do Mucuri (1847-1863). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, Minas Gerias, Brasil.

Sisson, S. A. (1999) Galeria dos Brasileiros Ilustres: os contemporâneos. Brasília: Senado Federal.

Sodrpe, N. W. (1966). História da Imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Spitz, J. F. (1995). La liberté politique: essai de généalogie conceptuelle. Paris: PUF.

Starling, H. M. M. (2012). A liberdade era amável: a formação da linguagem do republicanismo na América portuguesa (séculos XVII e XVIII). Tese para o concurso de Professor Titular em História do Brasil do Departamento de História da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Starobinsky, J. (2011). Jean-Jacques Rousseau: a transparência e o obstáculo. São Paulo: Companhia das Letras.

Timmers, F. O. (1969). Theophilo Benedicto Ottoni, pioneiro do nordeste mineiro e fundador da cidade de Teófilo Ottoni. Divinópolis: Santo Antônio.

Villalta, L. C. (s. d.) As imagens, O Antigo Regime e a "Revolução" no mundo Luso-brasileiro. Recuperado de [http://www.casaruibarbosa.gov.br/arquivos/file/Luiz.pdf.]. Consultado [23-08-2017].

Wehling, A. & Wehling, M. J. (2012). Centralização e a afirmação da esfera pública no Brasil joanino: o papel da justiça. Em A. A. Antunes & M. A. Silveira (Org.). Dimensões do poder em Minas (séculos XVIII e XIX). Belo Horizonte: Traço Fino.




DOI: http://dx.doi.org/10.14201/reb20196124153

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.